Esta tradução pode não refletir as alterações feitas desde 2021-09-20 ao original em Inglês.

Você deveria dar uma olhada nas alterações. Por favor, veja o README de traduções para informações sobre a manutenção de traduções a este artigo.

Prisões privativas


O software não livre (privativo) é muitas vezes um malware (projetado para maltratar o usuário). O software não livre é controlado por seus desenvolvedores, o que os coloca em uma posição de poder sobre os usuários; isso é a injustiça básica. Os desenvolvedores e fabricantes muitas vezes exercem esse poder em detrimento dos usuários aos quais eles deveriam servir.

Isso geralmente assume a forma de funcionalidades maliciosas.


As “prisões” são sistemas operacionais maliciosos projetados para impor censura de quais aplicativos o usuário pode instalar. A imagem do iPrisão ilustra esse problema.

Esses sistemas são plataformas de censura impostas pela empresa privativa do sistema. Vender produtos concebidos como plataformas para uma empresa impor censura deveria ser proibido por lei, mas não é.

Esta página lista algumas prisões, junto com alguns dos métodos que eles usam para censurar aplicativos e inclui exemplos específicos de aplicativos que foram bloqueados usando esse poder de censura.

Se você conhece um exemplo que deveria estar nesta página, mas não está aqui, por favor, escreva para <webmasters@gnu.org> para nos informar. Por favor, inclua a URL de uma ou duas referências confiáveis para servir como comprovação específica.

Apple

  • 2019-04

    Apple planeja exigir que todos aplicativos para MacOS sejam primeiro aprovados pela Apple.

    Oferecer um serviço de verificação como opção poderia ser útil e não estaria errado. Exigir que os usuários obtenham a aprovação da Apple é uma tirania. A Apple diz que a verificação procurará apenas malware (sem contar o malware que é parte do sistema operacional), mas a Apple pode mudar essa política passo a passo. Ou talvez a Apple defina malware para incluir qualquer aplicativo que a China não goste.

    Para software livre, isso significa que os usuários precisarão obter a aprovação da Apple após a compilação. Isso equivale a um sistema de monitoramento do uso de programas livres.

  • 2008-03

    iOS, o sistema operacional da iCoisas da Apple, é o protótipo de uma prisão. Foi a Apple que introduziu a prática de projetar computadores de uso geral com censura de programas aplicativos.

    Aqui está um artigo sobre a assinatura de código que os iCoisas usam para prender o usuário.

    Curiosamente, a Apple está começando a permitir uma passagem limitada pelas paredes da prisão de iCoisas: os usuários agora podem instalar aplicativos compilados a partir do código-fonte, desde que o código-fonte seja escrito em Swift. Os usuários não podem fazer isso livremente porque são obrigados a se identificar. Aqui estão os detalhes. Embora seja uma rachadura nas paredes da prisão, não é grande o suficiente para significar que os iCoisas não são mais prisões.

Exemplos de censura de prisões da Apple

Microsoft

Consoles de jogos

Nenhum jogo pode ser executado no console a menos que o fabricante do console o autorize. Infelizmente, não podemos encontrar um artigo para citar como referência para esse fato. Informe-nos se você souber de algum.