Lance Software Livre Caso Você Trabalhe em uma Universidade

por Richard Stallman

 [imagem da cabeça de um GNU] [ Catalão | Inglês | português do Brasil | Techeco ]

Nós, do Movimento Software Livre, acreditamos que os usuários de computador devem ter a liberdade de modificar e redistribuir os programas que eles usam. Na língua inglesa, "livre" ("free"), significa "liberdade", mas também "gratuito". Essa particularidade, leva muitas pessoas à compreenderem erradamente os ideais de nosso movimento. O termo "livre" ("free") para nós se refere à liberdade. Isso implica que os usuários tem a liberdade de executar, modificar e redistribuir os programas. O Software Livre contribui para o aperfeiçoamento do conhecimento humano, enquanto os programas proprietários não. As Universidades deveriam encorajar o desenvolvimento de software livre em consideração dos avanço do conhecimento humano, da mesma maneira que eles encorajam seus cientistas e catedráticos a publicar seus trabalhos.

Porém muitos administradores de universidades tem uma atitudades conservadora em relação ao software (e também sobre a ciência). Eles veem os programas como uma oportunidade para lucro, não como uma oportunidade para contribuir para o conhecimento humano. Os desenvolvedores de software livre vem lidando com essa situação nos últimos 20 anos.

Em 1984, quando eu iniciei o desenvolvimento do sistema operacional GNU, minha primeira decisão foi pedir demissão de meu trabalho no MIT. Fiz isso para que a licença de desenvolvimento do MIT não interferisse no lançamento do GNU como um software livre. Eu havia planejado uma estratégia para licenciar os programas GNU de mode que garantisse que todas as versões modificadas também fossem software livre. Essa estratégia foi formalizada na Licença Publica Geral do GNU. Ou seja, saí do MIT pois não queria que os administradores do MIT pudessem me proibir de usar a GNU GPL.

Durante esses anos, funcionários de várias universidades tem vindo até a Fundação Software Livre para pedir conselhos de como evitar o controle dos administradores que veem programas apenas como algo para se vender. Um método muito eficaz, aplicável também para projetos já em desenvolvimento, é basear seu trabalho em um programa já existente e lançado sob a GNU GPL. Então, você pode falar para o administrador: "Nós não temos permissão para lançar uma versão modificada à menos que ela use a GNU GPL. Qualquer outra licença estaremos infrigindo o copyright". Depois de ver os cifrões de dólar desvanecer na frente dos seus olhos, eles em geral concordam em lançar como um software livre.

Você pode também pedir ajuda ao financiador do projeto. Quando um grupo da NYU (New York University) desenvolveu o GNU Ada Compiler, com o financiamento da Força Aérea Americana, o contrato estabelecia que possíveis ganhos financeiros do projeto deveriam ser doados para a Fundação Software Livre. Primeiro estabeleçeram o acordo com o financiador, depois comunicaram aos administradores da universidade. Então, eles preferiram ter um contrato para desenvolver software livre do que não ter nenhum contrato.

Seja lá como for, aborde o assunto antes que o programa já esteja pronto. Enquanto o programa ainda estiver em fase desenvolvimento eles vão precisar de você. Diga aos administradores que você irá terminar o programa, tornar ele usável, apenas se eles concordarem em tornar o programa um software livre. Caso contrário, você irá desenvolvê-lo até o ponto de poder escrever um artigo científico sobre ele e nunca irá concluir uma versão boa o suficiente para ser lançado comercialmente. Quando os administradores perceberem que suas escolhas são ter um programa livre com os créditos para a universidade ou nada, eles irão escolher a primeira opção.

Porém nem todas as universidades tem políticas restritivas. A Universidade do Texas, tem uma política que determina que, por default, todos os programas desenvolvidos lá sejam licenciados com a GNU GPL. O mesmo aconteçe na Univates, no Brasil, e no Instituro Internacional de Tecnologia da Informação, em Hyderabad, Índia. Tendo o apoio do corpo docente, você terá mais chance de propor um apoio institucional da universidade. Apresente o assunto como um princípio: a universidade tem como missão contribuir para o avanço do conhecimento humano ou sua missão é meramente continuar aí?

Para qualquer estratégia que você tiver será preciso primeiramente ter a determinação de adotar uma perspectiva ética, como nós fazemos no Movimento Software Livre. Tratar o público eticamente, os programas devem ser livres para todas as pessoas.

Muitos desenvolvedores de software livre defendem sua posição com argumentos de salientam a praticidade. Dizem que permitir outros desenvolvedores de compartilhar mudanças no programa é um método de tornar os programas mais poderosos e confiáveis. Se esses valores orientam sua motivação de desenvolver software livre, tudo bem, agradecemos sua contribuição. Porém, acreditamos que esses valores não são suficientes para manter sua posição firme quando os administradores da universidade tentarem o persuadir a tornar seu programa um software proprietário.

Por exemplo, eles pode argumentar que "nós podemos torná-los ainda mais poderosos e confiáveis com o dinheiro que vamos ganhar com ele". É difícil saber se isso acontecerá ou não verdade, mas também não é fácil provar o contrário. Eles podem inclusive sugerir uma licença que permita cópias grátis para uso acadêmico. Com isso ele dirá que você terá a cooperação da comunidade acadêmica, que é a que você realmente precisa.

Se você partir de valores "pragmáticos" será difícil dar uma boa razão para rejeitar essas propostas, mas você poderá fazer isso se basear sua motivação em valores éticos e políticos. De que vale desenvolver um programa poderoso e conviável sacrificando a liberdade dos usuários? A liberdade não tem a mesma importância fora da comunidade acadêmica? As respostas são óbvias se a liberdade e a comunidade forem os seus objetivos. O software livre respeita a liberdade dos usuários, enquanto softwares proprietários a negam.

Nada fortalece mais sua posição do que saber que a liberdade de sua comunidade depende, em alguma instância, de você.


Outros textos para ler


Retornar para Página Inicial do GNU.

Por favor, envie dúvidas e sugestões sobre a FSF & o GNU para: gnu@gnu.org. Existem outras maneiras de contactar a FSF.

Por favor, envie comentários sobre essa página para: webmasters@www.gnu.org, Enviar outras questões para: gnu@gnu.org.

Copyright (C) 2002 Richard Stallman

Verbatim copying and distribution of this entire article is permitted in any medium, provided this notice is preserved.

Traduzida por: Cláudio Machado <claudio.machado@bol.com.br>

Atualizada: $Date: 2013/06/14 14:07:05 $ $Author: ineiev $