Esta é uma tradução da página original em Inglês.

Amarração proprietária


O software não livre (proprietário) é muitas vezes um malware (projetado para maltratar o usuário). O software não livre é controlado por seus desenvolvedores, o que os coloca em uma posição de poder sobre os usuários; isso é a injustiça básica. Os desenvolvedores e fabricantes muitas vezes exercem esse poder em detrimento dos usuários que deveriam servir.

Isso geralmente assume a forma de funcionalidades maliciosas.


Amarrar um produto ou programa significa projetá-lo para funcionar apenas através da comunicação com um servidor específico. Isso é sempre uma injustiça, pois significa que você não pode usar o programa sem esse servidor. Também é uma injustiça secundária se você não puder se comunicar com o servidor de outra maneira.

Em alguns casos, a amarração é usada para fazer coisas desagradáveis específicas para os usuários. Esta página relata casos em que a amarração foi usada para prejudicar os usuários diretamente.

Se você conhece um exemplo que deveria estar nesta página, mas não está aqui, por favor escreva para <webmasters@gnu.org> para nos informar. Por favor, inclua a URL de uma ou duas referências confiáveis para servir como comprovação específica.

  • 2020-07

    O visor dos óculos Focals, com microfone de bisbilhotamento, foi eliminado. O Google o eliminou comprando o fabricante e fechando-o. Ele também desligou o servidor do qual esses dispositivos dependem, o que fez com que os já vendidos parassem de funcionar.

    Pode ser uma boa coisa eliminar este produto – pois “smart” significa “espionagem” –, mas o Google não fez isso por uma questão de privacidade. Em vez disso, estava eliminando a competição de seu próprio produto de espionagem.

  • 2020-07

    O fogão sous-vide Mellow está amarrado a um servidor. A empresa repentinamente transformou essa amarração em uma assinatura, proibindo os usuários aproveitem os “recursos avançados"> do fogão, a menos que pagassem uma taxa mensal.

  • 2020-05

    O Wink vende um hub doméstico “inteligente” que é amarrado a um servidor. Em maio de 2020, ordenou que os compradores começassem a pagar uma taxa mensal pelo uso desse servidor. Por causa da amarração, o hub é inútil sem isso.

  • 2019-09

    A Best Buy fabricou aparelhos controláveis e encerrou o serviço que permitia controlá-los.

    Embora seja louvável que a Best Buy tenha reconhecido que estava maltratando os clientes, isso não altera os fatos de que amarrar o dispositivo a um servidor específico é um caminho para atrapalhar os usuários e que é uma consequência de ter um software não livre no dispositivo.

  • 2019-04

    Os brinquedos do robô Jibo foram amarrados ao servidor do fabricante, e a empresa fez com que todos parassem de funcionar desligando o servidor.

    O desligamento pode, ironicamente, ser bom para seus usuários, já que o produto foi projetado para manipular as pessoas, apresentando uma aparência falsa de emoções, e certamente estava espionando elas.

  • 2019-04

    Ebooks “comprados” da loja da Microsoft verificam se seu DRM é válido conectando-se à loja toda vez que o “proprietário” quer lê-los. A Microsoft fechará esta loja, inutilizando todos os e-books sob DRM que já “vendeu”. (O artigo também destaca as armadilhas do DRM.)

    Esta é outra prova de que um produto com DRM não pertence à pessoa que o comprou. A Microsoft disse que reembolsará os clientes, mas isso não é desculpa para vendê-los livros restritos.

  • 2019-03

    O supermercado britânico Tesco vendeu tablets que foram amarrados ao servidor da Tesco para reinstalar as configurações padrão. Tesco desligou o servidor para modelos antigos, então, agora, se você tentar reinstalar as configurações padrão, eles serão inutilizados.

  • 2018-09

    Os termostatos “smart” da Honeywell se comunicam apenas através do servidor da empresa. Eles têm todas as características desagradáveis de tais dispositivos: vigilância e perigo de sabotagem (de um usuário específico ou de todos os usuários ao mesmo tempo), bem como o risco de uma indisponibilidade (que foi o que aconteceu).

    Além disso, definir a temperatura desejada requer a execução de software não livre. Com um termostato antiquado, você pode fazê-lo usando controles diretamente no termostato.

  • 2018-07

    O monitor fitness da Jawbone estava amarrado a um aplicativo proprietário de telefone. Em 2017, a empresa fechou e fez o aplicativo parar de funcionar. Todos os monitores existentes pararam de funcionar para sempre.

    O artigo concentra-se em mais um impulso desagradável, de que as vendas dos dispositivos quebrados continuaram. Mas consideramos isso como uma questão secundária. Isso fez com que as consequências desagradáveis se estendessem a algumas pessoas adicionais. O erro fundamental foi projetar os dispositivos para depender de outra coisa que não respeitou a liberdade dos usuários.

  • 2018-06

    O jogo Metal Gear Rising para MacOS foi amarrado a um servidor. A empresa desligou o servidor e todas as cópias pararam de funcionar.

  • 2017-11

    A Logitech irá sabotar todos os dispositivos de controle doméstico da Harmony Link desligando o servidor através do qual os supostos proprietários dos produtos se comunicam com eles.

    Os proprietários suspeitam que isso é para pressioná-los a comprar um modelo mais novo. Se forem sábios, aprenderão, antes, a desconfiar de qualquer produto que exija que os usuários conversem com eles por meio de algum serviço especializado.

  • 2017-11

    A Sony trouxe de volta seu animal de estimação robótico Aibo, dessa vez com uma back door universal e amarrado a um servidor que requer assinatura.

  • 2017-10

    A câmera de vigilância doméstica da Canary foi sabotada por seu fabricante, desligando muitos recursos, a menos que o usuário comece a pagar por uma assinatura.

    Com fabricantes como esses, quem precisa de crackers?

    Os consumidores devem aprender a lição maior e rejeitar aparelhos conectados com software proprietário embarcado. Cada um desses produtos é uma tentação em cometer sabotagem.

  • 2017-08

    As versões recentes do Microsoft Office exigem que o usuário se conecte aos servidores da Microsoft pelo menos a cada trinta e um dias. Caso contrário, o software recusará a editar quaisquer documentos ou criar novos. Será restrito à visualização e impressão.

  • 2017-05

    As aves e coelhos de estimação foram implementados para o Second Life por uma empresa que amarrou seus alimentos a um servidor. Ela desligou o servidor e os animais morreram, por assim dizer.

  • 2017-04

    A Anova sabotou os dispositivos de cozinha dos usuários com um downgrade que os amarrou a um servidor remoto. A menos que os usuários criem uma conta nos servidores da Anova, seus fogões não funcionarão.

  • 2016-11

    O GeForce Experience proprietário, da nVidia, faz os usuários se identificarem e, em seguida, envia dados pessoais sobre eles para os servidores da nVidia.

  • 2016-09

    O aplicativo iMessage em iThings (produtos da Apple) fala para um servidor cada número de telefone que o usuário digita; o servidor grava esses números por pelo menos 30 dias.

  • 2016-07

    Uma critica de segurança meio cega a um aplicativo de rastreamento: descobriu-se que falhas flagrantes permitiram a qualquer um bisbilhotar os dados pessoais de um usuário. A critica falha inteiramente em expressar preocupação de que o aplicativo envie os dados pessoais para um servidor, no qual o desenvolvedor obtém tudo. Este “serviço” é para otários!

    O servidor certamente tem uma “política de privacidade” e certamente é inútil, já que quase todas são.

  • 2016-04

    O Revolv é um dispositivo que gerenciava as operações da “casa inteligente”: trocar luzes, operar sensores de movimento, regular a temperatura etc. Seu software proprietário depende de um servidor remoto para executar essas tarefas. Em 15 de maio de 2016, Google/Alphabet intencionalmente inutilizou-o desligando o servidor.

    Se fosse um software livre, os usuários teriam a capacidade de fazê-lo funcionar de novo, de maneira diferente, e então teriam uma casa que respeita a liberdade em vez de uma casa “inteligente”. Não permita que o software proprietário controle seus dispositivos e os transforme em tijolos de US$ 300,00 sem garantia. Insista em computadores independentes que usem apenas software livre!

  • 2013-05

    Os aplicativos da Adobe exigem conexão periódica a um servidor.


Disponível para esta página:

[en] English   [de] Deutsch   [es] español   [fr] français   [ja] 日本語   [pt-br] português   [ru] русский  

 [Logo da FSF] “A Free Software Foundation (FSF) é uma organização sem fins lucrativos com a missão global de promover a liberdade de usuários de computador. Nós defendemos os direitos dos usuários de software.”