English [en]   dansk [da]   Deutsch [de]   فارسی [fa]   français [fr]   hrvatski [hr]   മലയാളം [ml]   polski [pl]   português do Brasil [pt-br]   русский [ru]   Türkçe [tr]  

Esta é uma tradução da página original em Inglês.

Sua liberdade precisa de software livre

Muitos de nós sabemos que os governos podem ameaçar os direitos humanos dos usuários de software por meio da censura e da vigilância da Internet. Muitos não percebem que o software que executam em seus computadores domésticos ou de trabalho pode ser uma ameaça ainda pior. Pensando em software como “apenas uma ferramenta”, eles supõem que ela os obedece, quando, na verdade, ela geralmente obedece aos outros.

O software executado na maioria dos computadores é software proprietário não livre: controlado por empresas de software, não por seus usuários. Os usuários não podem verificar o que esses programas fazem, nem impedi-los de fazer o que não querem. A maioria das pessoas aceita isso porque não enxerga outra maneira, mas é simplesmente errado dar aos desenvolvedores poder sobre o computador dos usuários.

Esse poder injusto, como de costume, instiga seus detentores a cometer mais delitos. Se um computador fala com uma rede e você não controla o software nele, ele pode facilmente espiar você. O Microsoft Windows espiona os usuários; por exemplo, ele relata quais palavras um usuário procura em seus próprios arquivos e quais outros programas estão instalados. O RealPlayer também espiona; Ele relata o que o usuário joga. Os telefones celulares estão cheios de software não livre, que espia. Os telefones celulares enviam sinais de localização, mesmo quando “desligados”, muitos podem enviar sua localização GPS precisa, quer você queira ou não, e alguns modelos podem ser ligados remotamente como dispositivos de escuta. Os usuários não podem corrigir esses recursos maliciosos porque eles não têm controle.

Alguns softwares proprietários são projetados para restringir e atacar seus usuários. O Windows Vista é um grande avanço nesse campo; a razão pela qual é necessário substituir o hardware antigo é que os novos modelos são projetados para suportar restrições inquebráveis. A Microsoft exige, portanto, que os usuários paguem por novos grilhões brilhantes. Ele também é projetado para permitir a atualização forçada pela autoridade corporativa. Daí a campanha BadVista.org, que insta os usuários do Windows a não “atualizarem” para o Vista. (Para o igualmente malicioso Windows 7 e Windows 8, agora temos Windows7Sins.org e UpgradeFromWindows8.org.) O Mac OS também contém recursos projetados para restringir seus usuários.

A Microsoft instalou backdoors para o uso do governo dos EUA no passado (relatado em heise.de). Não podemos verificar se eles têm sucessores hoje. Outros programas proprietários podem ou não ter backdoors, mas como não podemos verificá-los, não podemos confiar neles.

A única maneira de garantir que o seu software esteja trabalhando para você é insistir no software Livre/Libre. Isso significa que os usuários obtêm o código-fonte, estejam livres para estudá-lo e alterá-lo, e estejam livres para redistribuí-lo com ou sem alterações. O sistema GNU/Linux, desenvolvido especificamente para a liberdade dos usuários, inclui aplicativos de escritório, multimídia, jogos e tudo o que você realmente precisa para executar um computador. Consulte gNewSense.org para obter uma versão totalmente Livre/Libre do GNU/Linux.

Um problema especial ocorre quando ativistas de mudança social usam software proprietário, porque seus desenvolvedores, que o controlam, podem ser empresas que estes ativistas estejam a protestar – ou que trabalham lado a lado com os estados cujas políticas se opõem. O controle de nosso software por uma empresa proprietária de software, seja Microsoft, Apple, Adobe ou Skype, significa controle do que podemos dizer e para quem. Isso ameaça nossa liberdade em todas as áreas da vida.

Há também o perigo de usar o servidor de uma empresa para fazer seu processamento de texto ou e-mail – e não apenas se você estiver na China, como o advogado americano Michael Springmann descobriu. Em 2003, a AOL não apenas entregou à polícia suas discussões confidenciais com os clientes, como também fez com que seu e-mail e sua lista de endereços desaparecessem, e não admitiu que isso fosse intencional até que um de seus funcionários delatou. Springmann desistiu de recuperar seus dados.

Os EUA não são o único estado que não respeita os direitos humanos, portanto, mantenha seus dados em seu próprio computador e seus backups sob sua guarda – e use seu computador com software Livre/Libre.

TOPO

[Logo da FSF]“A Free Software Foundation (FSF) é uma organização sem fins lucrativos com a missão global de promover a liberdade de usuários de computador. Nós defendemos os direitos dos usuários de software.”

PARTICIPE COMPRE