English [en]   Deutsch [de]   ελληνικά [el]   français [fr]   hrvatski [hr]   日本語 [ja]   português do Brasil [pt-br]  

EducaçãoEm Detalhes → O sistema educacional na Índia

Esta é uma tradução da página original em Inglês.

O sistema educacional na Índia

por Dr. V. Sasi Kumar (1)

No início

Nos tempos antigos, a Índia tinha o sistema educacional Gurukul, no qual qualquer um que desejasse estudar ia à casa de um professor (Guru) e pedia para ser ensinado. Se fosse aceito como estudante pelo guru, ele ficaria na casa do guru e ajudaria em todas as atividades em casa. Isso não só criou um forte vínculo entre o professor e o aluno, mas também ensinou ao aluno tudo sobre o funcionamento de uma casa. O guru ensinava tudo o que a criança queria aprender, do sânscrito às escrituras sagradas e da matemática à metafísica. O aluno permanecia o tempo que desejasse ou até que o guru sentisse que havia ensinado tudo o que podia ensinar. Todo o aprendizado estava intimamente ligado à natureza e à vida, e não se limitava a memorizar algumas informações.

O sistema escolar moderno foi trazido para a Índia, incluindo a língua inglesa, originalmente pelo lorde Thomas Babington Macaulay na década de 1830. O currículo foi confinado a assuntos “modernos” como ciência e matemática, e temas como metafísica e filosofia foram considerados desnecessários. O ensino foi limitado às salas de aula e o vínculo com a natureza foi quebrado, assim como a estreita relação entre professor e aluno.

O Conselho de Ensino Médio e Educação Intermediária de Uttar Pradesh (um estado na Índia) foi o primeiro Conselho criado na Índia no ano de 1921 com jurisdição sobre Rajputana, Índia Central e Gwalior. Em 1929, o Conselho de Ensino Médio e Educação Intermediária, em Rajputana, foi estabelecido. Mais tarde, foram estabelecidos conselhos em alguns estados. Mas, eventualmente, em 1952, a constituição do conselho foi alterada e foi renomeado para Conselho Central de Ensino Secundário (CBSE). Todas as escolas em Delhi e algumas outras regiões vieram sob o Conselho. Era função do Conselho decidir sobre coisas como currículo, livros didáticos e sistema de exames para todas as escolas afiliadas a ele. Hoje, existem milhares de escolas afiliadas ao Conselho, tanto na Índia como em muitos outros países, do Afeganistão ao Zimbábue.

O ensino universal e obrigatório para todas as crianças na faixa etária de 6 a 14 foi um sonho acalorado do novo governo da República da Índia. Isto é evidente pelo fato de ser incorporado como uma política diretiva no artigo 45 da Constituição. Mas esse objetivo permanece longe mesmo após mais de meio século. No entanto, no passado recente, o governo parece ter tomado uma nota séria deste lapso e fez da educação primária um direito fundamental de todo cidadão indiano. As pressões do crescimento econômico e a escassez aguda de mão de obra qualificada e treinada certamente devem ter desempenhado um papel importante para que o governo dê tal passo. As despesas do governo da Índia sobre educação escolar nos últimos anos chegam a cerca de 3% do PIB, o que é reconhecido como muito baixo.

“Nos últimos tempos, vários anúncios importantes foram feitos para o desenvolvimento da má situação no setor educacional na Índia, sendo os mais notáveis o Programa Nacional Mínimo Comum (NCMP) do governo da Aliança Progressista Unida (UPA). Os anúncios são; (a) Aumentar progressivamente o gasto em educação para cerca de 6% do PIB. (b) Para apoiar este aumento nas despesas com educação e para aumentar a qualidade da educação, haveria uma imposição de uma educação sobre todos os impostos do governo central. (c) Para garantir que a ninguém seja negado a educação devido ao atraso econômico e à pobreza. (d) Fazer do direito à educação um direito fundamental para todas as crianças na faixa etária 6–14 anos. (e) Universalizar a educação através de seus programas emblemáticos, como Sarva Siksha Abhiyan1 e Mid Day Meal2.” Wikipédia: Education in India, traduzido.

O sistema escolar

A Índia está dividida em 28 estados e 7 “Territórios da União”. Os estados têm seus próprios governos eleitos, enquanto os Territórios da União são governados diretamente pelo Governo da Índia, com o Presidente da Índia indicando um administrador para cada Território da União. De acordo com a constituição da Índia, a educação escolar foi originalmente um assunto estatal, ou seja, os estados tinham autoridade total em decidir políticas e implementá-las. O papel do Governo da Índia (GoI) era limitado à coordenação e à decisão sobre o ensino superior. Isso foi alterado com uma emenda constitucional em 1976, de modo que a educação agora vem na chamada “lista concorrente” (concurrent list). Ou seja, as políticas e os programas de educação escolar são sugeridos no nível nacional pelo GoI, embora os governos estaduais tenham muita liberdade na implementação de programas. As políticas são anunciadas periodicamente a nível nacional. O Conselho Consultivo Central de Educação (CABE), criado em 1935, continua a desempenhar um papel principal no desenvolvimento e monitoramento de políticas e programas educacionais.

Existe uma organização nacional que desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de políticas e programas, denominado Conselho Nacional de Pesquisa e Treinamento Educacional (NCERT), que prepara uma Estrutura Curricular Nacional. Cada estado tem sua contrapartida chamada Conselho Estadual de Pesquisa e Treinamento Educacional (SCERT). Estes são os corpos que são essencialmente propõem estratégias educacionais, currículos, esquemas pedagógicos e metodologias de avaliação para os departamentos de educação estaduais. Os SCERT geralmente seguem diretrizes estabelecidas pelo NCERT. Mas os estados têm considerável liberdade para implementar o sistema educacional.

A Política Nacional de Educação (National Policy on Education), de 1986, e o Programa de Ação (POA), de 1992, dispunham sobre educação gratuita e obrigatória para todas as crianças menores de 14 anos antes do século XXI. O governo comprometeu-se a 6% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação, sendo que metade disso seria gasto na educação primária. As despesas com educação em percentagem do PIB também aumentaram de 0,7% em 1951-52 para cerca de 3,6% em 1997-98.

O sistema escolar na Índia tem quatro níveis: fundamental inferior (idades de 6 a 10), fundamental superior (11 e 12), médio (13 a 15) e médio secundário (17 e 18). A escola fundamental inferior é dividida em cinco “padrões”, escola fundamental superior em dois, ensino médio em três e médio secundário em dois. Os alunos têm que aprender um currículo comum em grande parte (exceto as mudanças regionais na língua materna). Existe uma certa especialização no nível médio secundário. Os alunos são capazes de aprender três idiomas (a saber, inglês, hindi e sua língua materna), exceto em áreas onde Hindi é a língua materna e alguns fluxos como discutido abaixo.

Existem principalmente três fluxos na educação escolar na Índia. Dois deles são coordenados a nível nacional, dos quais um está sob o Conselho Central de Ensino Secundário (CBSE) e foi originalmente destinado a crianças de funcionários da administração central que são periodicamente transferidos e podem ter que se mudar para qualquer lugar do país. Uma série de “escolas centrais” (chamadas de Kendriya Vidyalayas) foram estabelecidas para o propósito em todas as principais áreas urbanas do país, e elas seguem um horário comum de forma que um aluno que passe de uma escola para outra em um determinado dia dificilmente verá qualquer diferença no que está sendo ensinado. Um assunto (Estudos Sociais, que consistem em História, Geografia e Cívica) é sempre ensinado em hindi e outros assuntos em inglês nessas escolas. Kendriya Vidyalayas admite outras crianças também se houver assentos disponíveis. Todos eles seguem livros didáticos escritos e publicados pelo NCERT. Além dessas escolas administradas pelo governo, várias escolas privadas do país seguem o programa de CBSE, embora possam usar diferentes livros de texto e seguir diferentes horários de ensino. Eles têm uma certa liberdade no que eles ensinam nas classes mais inferiores. O CBSE também possui 141 escolas afiliadas em outros 21 países, atendendo principalmente às necessidades da população indiana lá.

O segundo esquema central é o Certificado Indiano de Ensino Secundário (ICSE). Parece que isso foi iniciado como um substituto para o Certificado da Cambridge School. A ideia foi discutida em uma conferência realizada em 1952 sob a presidência de Maulana Abul Kalam Azad, então ministra da Educação. O objetivo principal da conferência foi considerar a substituição do Exame de Certificação de Cambridge School no exterior por um Exame da Índia. Em outubro de 1956, na reunião da Junta Inter-Estadual de Educação anglo-indígena, foi adotada uma proposta para a criação de um Conselho da Índia para administrar a filial local do serviço de exames da Universidade de Cambridge (University of Cambridge, Local Examinations Syndicate's Examination) na Índia e assessorar o Sindicato sobre a melhor maneira de adaptar seu exame às necessidades do país. A reunião inaugural do Conselho foi realizada em 3 de novembro de 1958. Em dezembro de 1967, o Conselho foi registrado como Sociedade ao abrigo do Societies Registration Act de 1860. O Conselho estava listado no Delhi School Education Act de 1973, como um órgão que conduz o público exames. Agora, um grande número de escolas em todo o país estão afiliadas a este Conselho. Todas estas são escolas privadas e geralmente atendem crianças de famílias ricas.

Tanto o conselho CBSE quanto o do ICSE conduzem seus próprios exames em escolas de todo o país que estão afiliadas a eles ao final de 10 anos de escolaridade (após o ensino médio) e novamente no final de 12 anos (após o ensino secundário superior). A admissão à 11ª classe baseia-se normalmente no desempenho deste exame em toda a Índia. Uma vez que isso coloca muita pressão sobre a criança para ter um bom desempenho, houve sugestões para remover o exame no final de 10 anos.

Escolas exclusivas

Além das acimas, há um número relativamente pequeno de escolas que seguem currículos estrangeiros, como o chamado Senior Cambridge, embora isso tenha sido amplamente substituído pelo fluxo do ICSE em outros lugares. Algumas dessas escolas também oferecem aos alunos a oportunidade de se sentarem para os exames do ICSE. Essas são geralmente escolas residenciais muito caras onde alguns dos indianos que trabalham no exterior enviam seus filhos. Elas normalmente possuem infraestrutura fabulosa, baixo índice de estudantes e professores e muito poucos alunos. Muitos deles têm professores do exterior. Existem também outras escolas exclusivas, como a Doon School em Dehradun, que recebem um pequeno número de estudantes e cobram taxas exorbitantes.

Além de tudo isso, existem poucas escolas em todo o país, como a escola Rishi Valley em Andhra Pradesh, que tentam se afastar do sistema educacional normal, que promove o aprendizado rotineiro e implementa sistemas inovadores, como o método Montessori. A maioria dessas escolas são caras, tem altos índices professor-aluno e proporcionam um ambiente de aprendizagem em que cada criança pode aprender a seu próprio ritmo. Seria interessante e instrutivo fazer um estudo sobre o impacto do tipo de escola na vida de seus ex-alunos.

Escolas estaduais

Cada estado do país possui seu próprio Departamento de Educação que administra seu próprio sistema escolar com seus próprios livros didáticos e sistema de avaliação. Conforme mencionado anteriormente, o currículo, pedagogia e método de avaliação são decididos em grande parte pelo SCERT no estado, seguindo as diretrizes nacionais prescritas pelo NCERT.

Cada estado tem três tipos de escolas que seguem o currículo estadual. O governo administra suas próprias escolas em terras e edifícios de propriedade do governo e pagando a equipe de seus próprios recursos. Estas são geralmente conhecidas como “escolas do governo” (government schools). As taxas são bastante baixas em tais escolas. Em seguida, existem escolas privadas com suas próprias terras e edifícios. Aqui, as taxas são altas e os professores são pagos pela administração. Essas escolas atendem principalmente às famílias da classe média urbana. O terceiro tipo consiste em escolas que recebem ajuda pelo governo, embora a escola tenha sido iniciada por uma agência privada em suas próprias terras e edifícios. O auxílio é destinado a ajudar a reduzir as taxas e a possibilitar que famílias pobres enviem seus filhos. Em alguns estados, como Kerala, essas escolas são muito similares às escolas governamentais, uma vez que os professores são pagos pelo governo e as taxas são iguais às escolas governamentais.

O caso de Kerala

O estado de Kerala, um pequeno estado na costa sul-ocidental da Índia, tem sido diferente do resto do país de muitas maneiras nas últimas décadas. Tem, por exemplo, a maior taxa de alfabetização entre todos os estados, e foi declarado o primeiro estado totalmente alfabetizado há uma década. A expectativa de vida, tanto masculina quanto feminina, é muito alta, próxima da do mundo desenvolvido. Outros parâmetros como taxa de fertilidade, mortalidade infantil estão entre os melhores do país, se não o melhor. A taxa de fertilidade total foi inferior à taxa de substituição de 2,1 nas últimas duas décadas. Provavelmente, como efeito colateral do desenvolvimento econômico e social, as taxas de suicídio e o alcoolismo também são muito altas. As políticas governamentais também foram muito diferentes do resto do país, levando ao modelo de desenvolvimento seguido em Kerala, com altos gastos em educação e bem-estar, que se conhece como o “modelo de Kerala” (Kerala Model) entre os economistas.

Kerala também mostrou interesse em tentar maneiras de melhorar seu sistema de educação escolar. Toda vez que o NCERT surgia com novas ideias, foi o Kerala que experimentou primeiro. O estado experimentou com entusiasmo o Programa Distrital de Educação Primária (DPEP), apesar de haver oposição a ele em vários lugares, e até mesmo o levou além das classes primárias. O estado foi o primeiro no país a passar da maneira tradicional behaviorista de ensinar a um paradigma social construtivista. Foi mencionado no Estrutura Curricular Nacional do NCERT no ano 2000, e Kerala começou a experimentá-lo no próximo ano. A transação na sala de aula e a metodologia de avaliação foram alteradas. Em vez de questões diretas que poderiam ser respondidas somente através da memorização das lições, perguntas indiretas e perguntas abertas foram incluídas para que o aluno precisasse pensar antes de responder e as respostas poderiam ser subjetivas até certo ponto. Isso significava que os alunos tinham que digerir o que estudavam e tiveram que usar seus conhecimentos em uma situação específica para responder as perguntas. Ao mesmo tempo, o novo método tirou muita pressão e as crianças começaram a achar exames interessantes e agradáveis ​​em vez de serem estressantes. Foi introduzido um sistema de Avaliação Abrangente e Contínuo (CCE) juntamente com isso, que levava em consideração a personalidade geral do aluno e reduzia a dependência de um único exame final para decidir a promoção para a próxima classe. No momento, o CBSE também implementou o CCE, mas de uma maneira mais flexível.

Kerala também foi o primeiro estado no país a introduzir a tecnologia da informação (TI) como assunto de estudo no nível do ensino médio. Foi iniciado na classe 8 com o livro de texto que apresenta Microsoft Windows e Microsoft Office. Mas, dentro de um ano, o governo foi forçado a incluir o Software Livre também no currículo por meio de protestos dos entusiastas do Software Livre e uma posição favorável tomada por uma associação de professores da escola que tinha a maioria dos professores do governo como seus membros. Eventualmente, a partir do ano de 2007, apenas o GNU/Linux foi ensinado nas escolas e todos os computadores nas escolas tinham apenas o GNU/Linux instalado. Naquela época, talvez até hoje, esta foi a maior instalação do GNU/Linux nas escolas e fez manchetes mesmo em outros países. Todos os anos, a partir de 2007, cerca de 500 mil crianças saem das escolas aprendendo os conceitos de Software Livre e o sistema operacional GNU/Linux e seus aplicativos. O estado agora está se movendo para a Educação usando TI. Eventualmente, a TI não será ensinada como assunto separado. Em vez disso, todos os assuntos serão ensinados com a ajuda da TI para que as crianças, por um lado, aprendam habilidades de TI e, por outro lado, façam uso de aplicativos educacionais (como os mencionados abaixo) e recursos na Internet (como materiais textuais de sites como Wikipédia, imagens, animações e vídeos) para estudar seus assuntos e fazer exercícios. Professores e alunos já começaram a usar aplicativos como Dr. Geo, GeoGebra e KtechLab para estudar geometria e eletrônica. Aplicativos como Sunclock, Kalzium e Ghemical também são populares entre professores e alunos.

A iniciativa tomada por Kerala está agora influenciando outros estados e até mesmo as políticas do Governo da Índia. Estados como Karnataka e Gujarat estão agora planejando introduzir Software Livre em suas escolas, e alguns outros estados como Maharashtra estão examinando a opção. A nova política de educação do Governo da Índia fala sobre construtivismo, educação com uso de TI, Software Livre e recursos educacionais compartilhados. Assim que alguns dos estados maiores migrarem com sucesso para o Software Livre, é esperado que todo o país siga esse caminho em um tempo relativamente curto. Quando isso acontecer, a Índia poderá ter a maior base de usuários de GNU/Linux e Software livre em geral.

Referências

http://www.columbia.edu/itc/mealac/pritchett/00generallinks/macaulay/txt_minute_education_1835.html
http://varnam.org/blog/2007/08/the_story_behind_macaulays_edu
http://en.wikipedia.org/wiki/Central_Board_of_Secondary_Education


V. Sasi Kumar é um doutor em física e um membro do conselho de administração da FSF Índia. Ele defende o Software Livre e a liberdade do conhecimento.

Nota do tradutor:
  1. Sarva Siksha Abhiyan — abreviado como SSA, significaria em português “Educação para Todo o Movimento”. Trata-se de um programa concretizando as disposições da 86ª Emenda à Constituição da Índia de, conforme mencionado pelo autor, ensino universal e obrigatório para todas as crianças na faixa etária de 6 a 14 anos.
  2. Mid Day Meal — pode ser traduzido como “refeição do meio-dia”; é um programa de refeições escolares do Governo da Índia destinado a melhorar o estado nutricional das crianças em idade escolar em todo o país. O programa oferece almoços gratuitos em dias úteis para crianças em classe elementares em centros educacionais.

VOLTAR AO TOPO


[Logo da FSF]“A Free Software Foundation (FSF) é uma organização sem fins lucrativos com a missão global de promover a liberdade de usuários de computador. Nós defendemos os direitos dos usuários de software.”

A Free Software Foundation é a principal organização que patrocina o Sistema Operacional GNU. Apoie o GNU e a FSF comprando manuais e produtos, afiliando-se a FSF como um membro associado ou fazendo uma doação.