English [en]   العربية [ar]   català [ca]   Deutsch [de]   español [es]   français [fr]   עברית [he]   hrvatski [hr]   italiano [it]   日本語 [ja]   한국어 [ko]   Nederlands [nl]   polski [pl]   português do Brasil [pt-br]   русский [ru]   Shqip [sq]   српски [sr]   Türkçe [tr]   українська [uk]   简体中文 [zh-cn]  

Esta é uma tradução da página original em Inglês.

Perguntas frequentes (FAQ) sobre GNU/Linux por Richard Stallman

Para aprender mais sobre essa questão, você também pode ler nossa página sobre Linux e o Projeto GNU, nossa página sobre Por que GNU/Linux? e nossa página sobre Usuários do GNU que nunca ouviram falar do GNU.

Quando as pessoas percebem que usamos e recomendamos o nome GNU/Linux para um sistema que muitas outras chamam apenas “Linux”, elas fazem muitas perguntas. Aqui estão as perguntas comuns e as nossas respostas.

Por que vocês chamam o sistema que usamos de GNU/Linux e não Linux? (#why)
A maioria das distribuições do sistema operacional com base no Linux como kernel são basicamente versões modificadas do sistema operacional GNU. Começamos a desenvolver o GNU em 1984, anos antes de Linus Torvalds começar a escrever seu kernel. Nosso objetivo era desenvolver um sistema operacional livre e completo. Claro, nós não desenvolvemos todas as partes nós mesmos – mas nós lideramos o caminho. Desenvolvemos a maioria dos componentes centrais, formando a maior contribuição única para todo o sistema. A visão básica também era nossa.

De forma justa, devemos ter, pelo menos, uma menção mínima.

Veja Linux e o sistema GNU e Usuários do GNU que nunca ouviram falar do GNU para mais explicação e O Projeto GNU para a história.

Por que o nome é importante? (#whycare)
Embora os desenvolvedores do Linux, o kernel, estejam contribuindo para a comunidade de software livre, muitos deles não se importam com a liberdade. As pessoas que pensam que todo o sistema é Linux tendem a se confundir e atribuir a esses desenvolvedores um papel na história da nossa comunidade que eles realmente não participaram. Em seguida, eles dão um peso excessivo aos pontos de vista desses desenvolvedores.

Chamar o sistema de GNU/Linux reconhece o papel que nosso idealismo desempenhou na construção de nossa comunidade, e ajuda o público a reconhecer a importância prática desses ideais.

Qual a real relação entre GNU e Linux? (#what)
O sistema operacional GNU e o kernel do Linux são projetos de software separados que fazem trabalhos complementares. Normalmente eles são empacotados em uma distribuição GNU/Linux e usados em conjunto.
Como aconteceu para que a maioria das pessoas chamem o sistema de “Linux”? (#howerror)
Chamar o sistema de “Linux” é uma confusão que se espalhou mais rapidamente do que a informação corretiva.

As pessoas que combinaram o Linux com o sistema GNU não tinham consciência de que era isso que sua atividade representava. Eles concentraram sua atenção na peça que era Linux e não perceberam que mais da combinação era o GNU. Eles começaram a chamá-lo “Linux” embora esse nome não se encaixasse no que eles tinham. Demorou alguns anos para que percebêssemos o quão problemático isso era e pedimos às pessoas que corrigissem a prática. Até então, a confusão teve uma grande vantagem.

A maioria das pessoas que chamam o sistema de “Linux” nunca ouviu o porquê disso não estar correto. Eles viram outros usando esse nome e presumiram que deve estar certo. O nome “Linux” também espalha uma imagem falsa da origem do sistema, porque as pessoas tendem a supor que a história do sistema era de tal forma que se encaixasse nesse nome. Por exemplo, elas geralmente acreditam que seu desenvolvimento foi iniciado por Linus Torvalds em 1991. Essa imagem falsa tende a reforçar a ideia de que o sistema deveria ser chamado de “Linux”.

Muitas das perguntas neste arquivo representam as tentativas das pessoas de justificar o nome que estão acostumados a usar.

Devemos sempre dizer “GNU/Linux” em vez de “Linux”? (#always)
Não sempre – apenas quando você está falando sobre todo o sistema. Quando você está se referindo especificamente ao kernel, você deve chamá-lo “Linux”, o nome que seu desenvolvedor escolheu.

Quando as pessoas chamam todo o sistema de “Linux”, como consequência, eles chamam todo o sistema com o mesmo nome do kernel. Isso causa muitos tipos de confusão, porque apenas os especialistas conseguem dizer se uma declaração é sobre o kernel ou todo o sistema. Ao chamar todo o sistema “GNU/Linux” e chamar o kernel de “Linux”, evita-se a ambiguidade.

Linux teria alcançado o mesmo sucesso se não existisse GNU? (#linuxalone)
Nesse mundo alternativo, hoje não haveria nada como o sistema GNU/Linux e, provavelmente, nenhum sistema operacional livre. Ninguém tentou desenvolver um sistema operacional livre na década de 1980, exceto o Projeto GNU e (mais tarde) Berkeley CSRG, ao qual o Projeto GNU solicitou especificamente para começassem a liberar seu código.

Linus Torvalds foi parcialmente influenciado por um discurso sobre o GNU na Finlândia em 1990. É possível que, mesmo sem essa influência, ele pudesse ter escrito um kernel tipo Unix, mas provavelmente não teria sido um software livre. O Linux tornou-se livre em 1992, quando Linus relançou-o sob a GNU GPL. (Veja as notas de lançamento para a versão 0.12.)

Mesmo que Torvalds tivesse lançado o Linux sob outra licença de software livre, uma kernel livre por si só não teria feito muita diferença para o mundo. O significado do Linux veio de encaixar em uma estrutura maior, um sistema operacional livre e completo: o GNU/Linux.

Não seria melhor para a comunidade se vocês não dividissem as pessoas com esse pedido? (#divide)
Quando pedimos às pessoas que digam “GNU/Linux”, não estamos dividindo pessoas. Pedimos que dê o crédito do Projeto GNU para o sistema operacional GNU. Isso não critica ninguém nem empurra ninguém.

No entanto, há pessoas que não gostam de dizer isso. Às vezes, essas pessoas nos afastam em resposta. Na ocasião, elas são tão grosseiras que levanta a dúvida de se elas intencionalmente tentam nos intimidar para nos silenciar. Não nos silencia, mas tende a dividir a comunidade, então esperamos que você possa convencê-los a parar.

No entanto, esta é apenas uma causa secundária de divisão em nossa comunidade. A maior divisão da comunidade é entre pessoas que apreciam o software livre como uma questão social e ética e consideram o software proprietário um problema social (apoiadores do movimento do software livre) e aqueles que citam apenas benefícios práticos e apresentam software livre apenas como um eficiente modelo de desenvolvimento (o movimento de código aberto).

Este desacordo não é apenas uma questão de nomes – é uma questão de valores básicos diferentes. É essencial para a comunidade ver e pensar sobre esse desacordo. Os nomes “software livre” (free software) e “código aberto” (open source); são as bandeiras das duas posições. Veja Por que o código aberto não compartilha dos objetivos do software livre.

O desacordo sobre os valores alinha parcialmente com a quantidade de atenção que as pessoas prestam ao papel do Projeto GNU em nossa comunidade. As pessoas que valorizam a liberdade são mais propensas a chamar o sistema de “GNU/Linux”, e as pessoas que aprendem que o sistema é “GNU/Linux” são mais propensas a prestar atenção aos nossos argumentos filosóficos para a liberdade e a comunidade (e é por isso que a escolha do nome para o sistema faz uma diferença real para a sociedade). No entanto, o desacordo provavelmente existiria mesmo se todos conhecessem a verdadeira origem do sistema e seu próprio nome, porque a questão é real. Ela só pode sumir se nós, que valorizamos a liberdade, persuadirmos a todos (o que não será fácil) ou sermos totalmente derrotados (esperemos que não).

O projeto GNU não apoia os direitos de liberdade de expressão do indivíduo de chamar o sistema pelo nome que esse indivíduo escolher? (#freespeech)
Sim, na verdade, acreditamos que você tenha um direito à liberdade de expressão para chamar o sistema operacional por qualquer nome que desejar. Pedimos que as pessoas o chamem de GNU/Linux como uma questão de justiça ao projeto GNU, para promover os valores de liberdade que o GNU representa e para informar aos outros que esses valores de liberdade trouxeram o sistema à existência.
Já que todo mundo sabe o papel do GNU no desenvolvimento do sistema, o “GNU/” no nome não estaria implícito? (#everyoneknows)
A experiência mostra que os usuários do sistema e o público que usa computadores em geral, muitas vezes não sabem nada sobre o sistema GNU. A maioria dos artigos sobre o sistema não menciona o nome “GNU” ou os ideais que o GNU representa. Usuários do GNU que nunca ouviram falar do GNU explica ainda mais.

As pessoas que dizem isso provavelmente são geeks pensando nos geeks que eles conhecem. Os geeks muitas vezes sabem sobre o GNU, mas muitos têm uma ideia completamente errada do que é o GNU. Por exemplo, muitos pensam que é uma coleção de “ferramentas” ou um projeto para desenvolver ferramentas.

A redação desta questão, que é típica, ilustra outro equívoco comum. Falar do “papel do GNU” ao desenvolver algo, presume-se que o GNU seja um grupo de pessoas. O GNU é um sistema operacional. Seria sensato falar sobre o papel do Projeto GNU nessa ou em alguma outra atividade, mas não em GNU.

Já que eu sei o papel do GNU neste sistema, por que importa qual nome eu uso? (#everyoneknows2)
Se suas palavras não refletem seu conhecimento, você não ensina aos outros. A maioria das pessoas que ouviram falar do sistema GNU/Linux acham que é “Linux”, que foi iniciado por Linus Torvalds, e que se destinava a ser “código aberto”. Se você não disser a eles, quem vai?
Encurtar “GNU/Linux” para “Linux” a mesma coisa que encurtar “Microsoft Windows” para “Windows”? (#windows)
É útil encurtar um nome usado com frequência, mas não se a abreviatura é enganosa.

Quase todos em países desenvolvidos realmente sabem que o sistema “Windows” é feito pela Microsoft, portanto, encurtar “Microsoft Windows” para “Windows” não engana ninguém quanto à natureza e origem desse sistema. Encurtar “GNU/Linux” para “Linux” dá a ideia errada de onde o sistema vem.

A pergunta em si é enganosa porque o GNU e a Microsoft não são o mesmo tipo de coisa. A Microsoft é uma empresa; O GNU é um sistema operacional.

GNU não é uma coleção de ferramentas de programação que foram incluídas no Linux? (#tools)
Pessoas que pensam que o Linux é um sistema operacional completo, se ouvem sobre o GNU, muitas vezes ficam com uma ideia errada do que é o GNU. Eles podem pensar que o GNU é o nome de uma coleção de programas – muitas vezes eles dizem “ferramentas de programação”, uma vez que algumas de nossas ferramentas de programação se tornaram populares por conta própria. A ideia de que o “GNU” é o nome de um sistema operacional é difícil de se encaixar em uma estrutura conceitual na qual esse sistema operacional é rotulado como “Linux”.

O projeto GNU foi nomeado em razão do sistema operacional GNU – é o projeto para desenvolver o sistema GNU. (Veja o anúncio inicial de 1983.)

Desenvolvemos programas como GCC, GNU Emacs, GAS, GLIBC, BASH, etc., porque precisávamos deles para o sistema operacional GNU. GCC, o GNU Compiler Collection é o compilador que escrevemos para o sistema operacional GNU. Nós, muitas pessoas que trabalhamos no Projeto GNU, desenvolvemos Ghostscript, GNUCash, GNU Chess e GNOME para o sistema GNU também.

Qual é a diferença entre um sistema operacional e um kernel? (#osvskernel)
Um sistema operacional, como usamos o termo, significa uma coleção de programas que são suficientes para usar o computador para fazer uma grande variedade de trabalhos. Um sistema operacional de propósito geral, para ser completo, deve lidar com todos os trabalhos que muitos usuários podem querer fazer.

O kernel é um dos programas em um sistema operacional – o programa que aloca os recursos da máquina para os outros programas que estão sendo executados. O kernel também cuida de iniciar e parar outros programas.

Para confundir as coisas, algumas pessoas usam o termo “sistema operacional” para significar “kernel”. Ambos os usos do termo voltam muitos anos. O uso do “sistema operacional” para significar “kernel” é encontrado em vários livros didáticos sobre o design do sistema, lá nos anos 80. Ao mesmo tempo, nos anos 80, o sistema operacional “Unix” foi entendido como incluindo todos os programas do sistema, e a versão de Berkeley do Unix incluiu jogos inclusive. Como pretendíamos que o GNU fosse um sistema operacional similar ao Unix, usamos o termo “sistema operacional” do mesmo jeito.

Na maioria das vezes, quando as pessoas falam do “sistema operacional Linux” eles estão usando o “sistema operacional” no mesmo sentido que nós usamos: eles querem dizer toda a coleção de programas. Se é isso a que você está se referindo, chame-o de “GNU/Linux”. Se você quer dizer apenas o kernel, então “Linux” é o nome certo para isso, mas diga “kernel” também para evitar a ambiguidade sobre qual corpo de software você quer dizer.

Se você preferir usar algum outro termo, como “distribuição de sistema” para toda a coleção de programas, em vez de “sistema operacional”, está tudo bem. Então, você falaria sobre as distribuições do sistema GNU/Linux.

O kernel de um sistema é como a fundação de uma casa. Como pode uma casa ser quase completa quando ela não tem uma fundação? (#house)
Um kernel não é muito parecido com a fundação de uma casa porque construir um sistema operacional não é como construir uma casa.

Uma casa é construída a partir de muitas pequenas peças gerais que são cortadas e juntas no local. Elas precisam ser juntadas de baixo para cima. Assim, quando a fundação não foi construída, nenhuma parte substancial foi construída; tudo que você tem é um buraco no chão.

Em contrapartida, um sistema operacional consiste em componentes complexos que podem ser desenvolvidos em qualquer ordem. Quando você desenvolveu a maioria dos componentes, a maior parte do trabalho está concluída. Isso é muito mais como a Estação Espacial Internacional do que como uma casa. Se a maioria dos módulos da Estação Espacial estiverem em órbita, mas aguardando um outro módulo essencial, isso seria como o sistema GNU em 1992.

O kernel não é o cérebro do sistema? (#brain)
Um sistema de computador não é muito parecido com um corpo humano e nenhuma parte dele desempenha um papel comparável ao do cérebro em um ser humano.
Escrever o kernel não é a maioria do trabalho em um sistema operacional? (#kernelmost)
Não, muitos componentes exigem muito trabalho.
Como GNU pode ser um sistema operacional, se eu não consigo obter alguma coisa chamada “GNU” e instalá-la? (#notinstallable)
Muitas versões empacotadas e instaláveis do GNU estão disponíveis. Nenhuma delas é chamada simplesmente de “GNU”, mas o GNU é o que elas basicamente são.

Esperávamos lançar o sistema GNU empacotado para instalação, mas este plano foi ultrapassado por eventos: em 1992 outros já estavam empacotando variantes do GNU contendo Linux. A partir de 1993, patrocinamos um esforço para criar uma distribuição GNU/Linux melhor e mais livre, chamada Debian GNU/Linux. O fundador do Debian já havia escolhido esse nome. Nós não pedimos que ele chamasse-o apenas “GNU” porque esse seria o nome de uma versão do sistema com o kernel GNU Hurd – que ainda não estava pronto.

O kernel GNU Hurd nunca ficou suficientemente pronto; Nós apenas o recomendamos aos interessados em trabalhar nele. Então, nunca empacotamos o GNU com o kernel GNU Hurd. No entanto, o Debian empacotou essa combinação como Debian GNU/Hurd.

Agora estamos desenvolvendo um gerenciador avançado de pacotes baseado em Scheme chamado Guix e uma distribuição de sistema completa com base nele chamado distribuição de sistema Guix ou GuixSD. Isso inclui o reempacotamento de uma parte substancial do sistema GNU.

Nós nunca demos o último passo de empacotar GNU sob o nome “GNU”, mas isso não altera o tipo de coisa que é o GNU. O GNU é um sistema operacional.

Estamos chamando todo o sistema pelo kernel, Linux. Não é normal nomear um sistema operacional pelo kernel? (#afterkernel)
Essa prática parece ser muito rara – não conseguimos encontrar outros exemplos além do uso indevido do nome “Linux”. Normalmente, um sistema operacional é desenvolvido como um único projeto unificado e os desenvolvedores escolhem um nome para o sistema como um todo. O kernel geralmente não tem um nome próprio – em vez disso, as pessoas dizem “o kernel de tal e tal” ou “o kernel tal e tal”.

Como essas duas construções são usadas de forma sinônima, a expressão “o kernel Linux” pode facilmente ser mal interpretada como significando “o kernel do Linux” de forma a sugerir que o Linux deve ser mais do que um kernel. Você pode evitar a possibilidade desse mal-entendido dizendo ou escrevendo “o kernel, Linux” ou “Linux, o kernel”.

Outro sistema pode ter “a cara do Linux”? (#feel)
Não existe isso de “a cara do Linux” porque o Linux não possui interfaces de usuário. Como qualquer kernel moderno, o Linux é uma base para executar programas; as interfaces de usuário pertencem a outro local do sistema. A interação humana com o GNU/Linux sempre passa por outros programas e a “cara” vem deles.
O programa com “GNU/Linux” é que ele é longo demais. Que tal recomendar um nome mais curto? (#long)
Por um tempo, tentamos o nome “LiGNUx”, que combina as palavras “GNU” e “Linux”. A reação foi muito ruim. As pessoas aceitam “GNU/Linux” muito melhor.

O nome legítimo mais curto para este sistema é o “GNU”, mas nós o chamamos “GNU/Linux” pelos motivos apresentados abaixo.

Que tal chamar o sistema de “GliNUx” (em vez de “GNU/Linux”)? (#long1)

O nome “GNU” não aparece visivelmente em “Glinux”, então a maioria das pessoas não perceberia que está lá. Mesmo que seja escrito com letras maiúsculas como “GliNUx”, a maioria das pessoas não perceberia que contém uma referência ao GNU.

Seria comparável à escrita “GNU/Linux”, mas colocar “GNU/” numa impressão tão pequena que a maioria das pessoas não pudesse lê-lo.

O problema com “GNU/Linux” é que ele é longo demais. Por que eu deveria me dar o trabalho de dizer “GNU/”? (#long2)

Basta um segundo para dizer ou digitar “GNU/”. Se você aprecia o sistema que desenvolvemos, você não pode demorar um segundo para reconhecer nosso trabalho?

Infelizmente, “GNU/Linux” possui cinco sílabas. As pessoas não usam um termo tão longo. Vocês não deveriam achar um mais curto? (#long3)

Na verdade, “GNU/Linux” contém apenas quatro sílabas. “Infelizmente” contém cinco sílabas, mas as pessoas não mostram sinais de relutância em usar essa palavra.

Já que Linux é uma contribuição secundária, seria incorreto chamar o sistema apenas de “GNU”? (#justgnu)
Não seria incorreto, mas não é a melhor coisa a se fazer. Aqui estão os motivos pelos quais chamamos aquela versão de sistema de “GNU/Linux” em vez de apenas “GNU”:
  • Não é exatamente o GNU – tem um kernel diferente (isto é, Linux). Distinguir o GNU/Linux do GNU é útil.
  • Seria desagradável pedir às pessoas para parar de dar qualquer crédito ao Linus Torvalds. Ele escreveu um importante componente do sistema. Queremos obter crédito por lançar e sustentar o desenvolvimento do sistema, mas isso não significa que devemos tratar Linus da mesma forma que aqueles que chamam o sistema “Linux” nos tratam. Nós discordamos fortemente de suas opiniões políticas, mas lidamos com esse desacordo de forma honorável e aberta, em vez de tentar lhe retirar o crédito por sua contribuição para o sistema.
  • Como muitas pessoas conhecem o sistema como “Linux”, se dissermos “GNU” eles podem simplesmente não reconhecer que estamos falando sobre o mesmo sistema. Se dissermos “GNU/Linux”, eles podem fazer uma conexão com o que ouviram falar.

Eu teria que pagar uma taxa se eu usar “Linux” no nome de um produto, e isso também se aplicaria se eu disser “GNU/Linux”. Seria incorreto se eu usar “GNU” sem “Linux”, para economizar na taxa? (#trademarkfee)
Não há nada de errado ao chamar o sistema de “GNU”; basicamente, é isso que ele é. É bom dar a Linus Torvalds uma parte do crédito também, mas você não tem obrigação de pagar o privilégio de fazê-lo.

Então, se você quiser se referir ao sistema simplesmente como “GNU”, para evitar pagar a taxa por chamá-lo “Linux”, não lhe criticaremos.

Muitos outros projetos contribuíram para o sistema como é hoje; isso inclui TeX, X11, Apache, Perl e muitos mais programas. Os seus argumentos não implicam que devamos dar-lhes crédito também? (Mas isso levaria a um nome tão longo que é absurdo.) (#many)
O que dizemos é que você deve dar ao desenvolvedor principal do sistema uma parcela do crédito. O desenvolvedor principal é o Projeto GNU, e o sistema é basicamente o GNU.

Se você se sentir ainda mais inclinado a dar crédito onde é devido, você pode sentir que alguns contribuidores secundários também merecem crédito no nome do sistema. Se assim for, longe de nós argumentar contra isso. Se você acha que X11 merece crédito no nome do sistema e você quiser chamar o sistema de GNU/X11/Linux, por favor o faça. Se você acha que Perl simplesmente grita por menção e você deseja escrever GNU/Linux/Perl, vá em frente.

Como um nome longo como GNU/X11/Apache/Linux/TeX/Perl/Python/FreeCiv torna-se absurdo, em algum momento você terá que definir um limite e omitir os nomes de muitas outras contribuições secundárias. Não há um lugar óbvio certo para definir o limiar, então, onde quer que o estabeleça, não discutiremos contra isso.

Diferentes níveis de limites levariam a diferentes opções de nome para o sistema. Mas um nome que não pode resultar de preocupações de justiça e de crédito, não para qualquer nível de limite possível, é “Linux”. Não pode ser justo dar todo o crédito a uma contribuição secundária (Linux) ao mesmo tempo que omite a contribuição principal (GNU).

Muitos outros projetos contribuíram para o sistema como está hoje, mas eles não insistem em chamá-lo de XYZ/Linux. Por que nós devemos tratar o GNU de forma especial? (#others)
Milhares de projetos desenvolveram programas geralmente incluídos nos sistemas GNU/Linux de hoje. Todos merecem crédito por suas contribuições, mas não são os principais desenvolvedores do sistema como um todo, então eles não pedem para ser creditado como tal.

O GNU é diferente porque é mais do que apenas um programa contribuído, mais do que apenas uma coleção de programas contribuídos. O GNU é o quadro em que o sistema foi criado.

GNU é uma fração pequena do sistema hoje em dia, então por que eu deveria mencioná-lo? (#allsmall)
Em 2008, descobrimos que os pacotes GNU representavam 15% do repositório “main” da distribuição gNewSense GNU/Linux. O Linux constituiu 1,5%. Então, o mesmo argumento se aplicaria ainda mais fortemente para chamá-lo “Linux”.

O GNU é uma pequena fração do sistema atualmente e o Linux é uma fração ainda menor. Mas eles são o kernel do sistema; o sistema foi feito combinando-os. Assim, o nome “GNU/Linux” permanece apropriado.

Muitas empresas contribuíram para o sistema como está hoje; isso não significa que nós devemos chamá-lo de GNU/Red Hat/Novell/Linux? (#manycompanies)

O GNU não é comparável a Red Hat ou Novell; não é uma empresa, nem uma organização, nem mesmo uma atividade. O GNU é um sistema operacional. (Quando falamos do Projeto GNU, refere-se ao projeto para desenvolver o sistema GNU). O sistema GNU/Linux é baseado no GNU e é por isso que o GNU deve aparecer em seu nome.

Grande parte da contribuição dessas empresas para o sistema GNU/Linux reside no código que contribuíram para vários pacotes GNU, incluindo GCC e GNOME. Dizer que o GNU/Linux dá crédito a essas empresas, juntamente com todo o resto dos desenvolvedores do GNU.

Por que vocês escrevem “GNU/Linux” em vez de “GNU Linux”? (#whyslash)
Seguindo as regras do inglês, na construção “GNU Linux” a palavra “GNU” modifica “Linux”. Isso pode significar quer uma “versão GNU do Linux” ou “Linux, que é um pacote GNU”. Nenhum desses significados se encaixa na situação em questão.

O Linux não é um pacote GNU, ou seja, não foi desenvolvido sob a égide do Projeto GNU ou contribuiu especificamente para o Projeto GNU. Linus Torvalds escreveu Linux independentemente, como seu próprio projeto. Então, o significado de “Linux, que é um pacote GNU” não está certo.

Não estamos falando sobre uma versão GNU do Linux, o kernel. As distros GNU/Linux livres têm uma versão separada do Linux, uma vez que a versão “padrão” contém firmwares não livres e “blobs”. Se isso fosse parte do Projeto GNU, poderia ser considerado “GNU Linux”; mas não gostaríamos de chamá-lo assim, porque seria muito confuso.

Estamos falando de uma versão do GNU, o sistema operacional, distinguido por ter o Linux como kernel. Uma barra se encaixa na situação, porque isso significa “combinação”. (Pense em “Entrada/Saída”.) Este sistema é a combinação de GNU e Linux; daí, “GNU/Linux”.

Existem outras formas de expressar “combinação”. Se você acha que um sinal de mais é mais claro, use isso. Em francês, um hífen é claro: “GNU-Linux”. Em espanhol, às vezes dizemos: “GNU con Linux”.

Por que “GNU/Linux” em vez de “Linux/GNU”? (#whyorder)

É certo e apropriado mencionar primeiro a contribuição principal. A contribuição do GNU para o sistema não é apenas maior que o Linux e antes do Linux, nós realmente iniciamos toda a atividade.

Além disso, “GNU/Linux” cabe no fato de que o Linux é o nível mais baixo do sistema e que o GNU preenche níveis tecnicamente mais altos.

No entanto, se você preferir chamar o sistema de “Linux/GNU”, isso é muito melhor do que as pessoas costumam fazer, o que é omitir o GNU inteiramente e fazer parecer que todo o sistema é o Linux.

Os desenvolvedores da minha distro a chamam de “Foobar Linux”, mas isso não diz nada sobre em que o sistema consiste. Por que eu não deveria chamá-lo na forma como eles querem? (#distronames0)
Chamar um sistema de “Foobar Linux” sugere que é um sabor de “Linux” e as pessoas entendem dessa forma.

Se eles chamassem uma distribuição GNU/Linux de “Foobar BSD“, você chamaria isso de erro. “Este sistema não é BSD”, Você diria a eles. Bem, também não é o Linux.

Minha distro é chamada “Foobar Linux”; isso não mostra que ela é realmente Linux? (#distronames)

Isso significa que as pessoas que fazem a distro “Foobar Linux” estão repetindo o erro comum. Agradecemos que distribuições como Debian, Dragora, Musix, Trisquel e Venenux tenham adotado o GNU/Linux como parte de seu nome oficial, e esperamos que, se você estiver envolvido com uma distribuição diferente, você irá incentivá-lo a fazer o mesmo.

O nome oficial da minha distro é “Foobar Linux”; não é errado chamá-la qualquer outra coisa além de “Foobar Linux”? (#distronames1)

Quando elas espalham a desinformação mudando “GNU” para “Linux” e chamam a sua versão de “Foobar Linux”, é apropriado você corrigir a desinformação ao chamá-la de “Foobar GNU/Linux”.

Não seria mais efetivo solicitar às empresas como Mandrake, Red Hat e IBM que chamem suas distribuições de “GNU/Linux” em vez de solicitar a indivíduos? (#companies)
Não é uma escolha de um ou outro – pedimos às empresas, organizações e indivíduos que ajudassem a divulgar a palavra sobre isso. Na verdade, pedimos a todas as três empresas. Mandrake disse que usaria o termo “GNU/Linux” algumas vezes, mas a IBM e a Red Hat não estavam dispostas a ajudar. Um executivo disse: “Esta é uma decisão comercial pura; esperamos ganhar mais dinheiro chamando-o de “Linux”. Em outras palavras, essa empresa não se importava com o que estava certo.

Não podemos forçá-los a corrigir isso, mas não somos o tipo de desistir só porque a estrada não é fácil. Você pode não ter tanta influência à sua disposição como IBM ou Red Hat, mas você ainda pode ajudar. Juntos, podemos mudar a situação até o ponto em que as empresas ganharão mais lucro chamando-a “GNU/Linux”.

Não seria melhor reservar o nome “GNU/Linux” para distribuições que são puramente software livre? Afinal das contas, esse é o ideal do GNU. (#reserve)
A prática generalizada de adicionar software não livre ao sistema GNU/Linux é um grande problema para nossa comunidade. Ele ensina aos usuários que o software não livre não tem problema, e que usá-lo é parte do espírito do “Linux”. Muitos grupos de usuários “Linux” tornam parte de sua missão ajudar os usuários a usar complementos não livres e podem até convidar os vendedores a vir e fazerem lotes de vendas para eles. Eles adotam metas como “ajudar os usuários” de GNU/Linux (incluindo ajudá-los a usar aplicativos e drivers não livres) ou tornando o sistema mais popular mesmo ao custo da liberdade.

A questão é como tentar mudar isso.

Dado que a maioria da comunidade que usa o GNU com o Linux já não percebe que é isso que ele é, para nós negar essas versões adulteradas, dizendo que elas não são realmente GNU, não ensinaria os usuários a valorizar mais a liberdade. Eles não receberiam a mensagem pretendida. Eles só responderiam que nunca pensaram que estes sistemas eram o GNU em primeiro lugar.

A maneira de liderar esses usuários para ver uma conexão com a liberdade é exatamente o oposto: informá-los de que todas essas versões do sistema são versões do GNU, que todas elas são baseadas em um sistema que existe especificamente por causa da liberdade dos usuários. Com esse entendimento, eles podem começar a reconhecer as distribuições que incluem software não livre como versões falsas e adulteradas do GNU, em vez de pensar que são “versões do Linux” adequadas e apropriadas.

É muito útil iniciar grupos de usuários GNU/Linux, que chamam o sistema de GNU/Linux e adotem os ideais do Projeto GNU como base para suas atividades. Se o grupo de usuários Linux em sua área tiver os problemas descritos acima, sugerimos que você faça uma campanha dentro do grupo para mudar sua orientação (e o nome) ou iniciar um novo grupo. As pessoas que se concentram nos objetivos mais superficiais têm direito a seus pontos de vista, mas não os deixem arrastrar você!

Por que não criar uma distribuição GNU de Linux (sic) e chamá-la de GNU/Linux? (#gnudist)
Todas as distribuições “Linux” são, na verdade, versões do sistema GNU com o Linux como kernel. O objetivo do termo “GNU/Linux” é comunicar esse ponto. Desenvolver uma nova distribuição e chamá-la sozinha de “GNU/Linux” obscureceria o ponto que queremos fazer.

Quanto ao desenvolvimento de uma distribuição de GNU/Linux, já fizemos isso uma vez, quando financiamos o desenvolvimento inicial do Debian GNU/Linux. Fazer isso de novo agora não parece útil; seria muito trabalho e, a menos que a nova distribuição tivesse vantagens práticas substanciais em relação a outras distribuições, isso não servirá para nada.

Em vez disso, ajudamos os desenvolvedores de distribuições GNU/Linux 100% livres, como o gNewSense e o Ututo.

Por que não dizer “Linux é o kernel do GNU” e lançar alguma versão existente do GNU/Linux sob o nome de “GNU”? (#linuxgnu)
Talvez tivesse sido uma boa ideia adotar o Linux como o kernel do GNU em 1992. Se tivéssemos percebido, naquela época, quanto tempo demoraria para que o GNU Hurd funcionasse, talvez pudéssemos ter feito isso. (Infelizmente, isso é passado.)

Se nós tomássemos uma versão existente do GNU/Linux e rotulássemos-a como “GNU”, isso seria um pouco como fazer uma versão do sistema GNU e rotulássemos-a de “Linux”. Isso não era certo, e não queremos agir assim.

O projeto GNU condenou e se opôs ao uso de Linux nos primeiros dias? (#condemn)
Nós não adotamos o Linux como nosso kernel, mas nós não condenamos nem nos opomos a ele. Em 1993, começamos a discutir os arranjos para patrocinar o desenvolvimento do Debian GNU/Linux. Também procuramos cooperar com as pessoas que estavam alterando alguns pacotes GNU para uso com o Linux. Nós queríamos incluir suas mudanças nos lançamentos padrão para que esses pacotes GNU funcionassem corretamente com o Linux. Mas as mudanças eram frequentemente ad hoc e não portáveis; elas precisavam ser limpadas para instalação.

As pessoas que fizeram as mudanças mostraram pouco interesse em cooperar conosco. Um deles realmente nos disse que ele não se importava em trabalhar com o Projeto GNU porque ele era um “usuário Linux”. Isso veio como um choque, porque as pessoas que usavam pacotes GNU para outros sistemas geralmente tinham desejado trabalhar conosco para que suas mudanças fossem instaladas. No entanto, essas pessoas, desenvolvendo um sistema baseado principalmente em GNU, foram o primeiro (e ainda praticamente o único) grupo que não estava disposto a trabalhar conosco.

Foi essa experiência que, pela primeira vez, nos mostrou que as pessoas estavam chamando uma versão do sistema GNU de “Linux”, e que essa confusão estava obstruindo nosso trabalho. Pedir que você chame o sistema de “GNU/Linux” é a nossa resposta a esse problema e aos outros problemas causados pelo “Linux” não é o mesmo.

Por que vocês esperaram tanto antes de solicitar que as pessoas usassem o nome GNU/Linux? (#wait)

Na verdade, não esperamos. Começamos a falar em particular com desenvolvedores e distribuidores sobre isso em 1994 e fizemos uma campanha mais pública em 1996. Continuaremos enquanto for necessário.

A convenção GNU/nome deve se aplicada a todos os programas sob a GPL? (#allgpled)
Nunca nos referimos a programas individuais como “GNU/nome”. Quando um programa é um pacote GNU, podemos chamá-lo de “GNU nome”.

O GNU, o sistema operacional, é composto por vários programas diferentes. Alguns dos programas no GNU foram escritos como parte do Projeto GNU ou contribuíram especificamente para ele; estes são os pacotes GNU, e muitas vezes usamos o “GNU” em seus nomes.

Cabe aos desenvolvedores de um programa decidir se querem contribuí-lo e torná-lo um pacote GNU. Se você desenvolveu um programa e gostaria que ele fosse um pacote GNU, escreva para <gnu@gnu.org>, para que possamos avaliá-lo e decidir se o queremos.

Não seria justo colocar o nome GNU em cada programa individual que seja lançado sob a GPL. Se você escrever um programa e lançá-lo sob a GPL, isso não significa que o Projeto GNU o escreveu ou que você o escreveu para nós. Por exemplo, o kernel, Linux, é lançado sob a GNU GPL, mas Linus não o escreveu como parte do Projeto GNU – ele fez o trabalho de forma independente. Se algo não for um pacote GNU, o Projeto GNU não pode levar crédito por isso, e colocar “GNU” em seu nome seria impróprio.

Em contraste, merecemos o crédito global pelo sistema operacional GNU como um todo, mesmo que não seja para cada programa. O sistema existe como um sistema devido à nossa determinação e persistência, a partir de 1984, muitos anos antes do início do Linux.

O sistema operacional em que o Linux tornou-se popular era basicamente o mesmo que o sistema operacional GNU. Não era inteiramente o mesmo, porque tinha um kernel diferente, mas era principalmente o mesmo sistema. Era uma variante do GNU. Era o sistema GNU/Linux.

O Linux continua a ser usado principalmente em derivativos desse sistema – nas versões atuais do sistema GNU/Linux. O que dá a esses sistemas a sua identidade é GNU e Linux no centro deles, e não particularmente Linux sozinho.

Já que muito do GNU vem do Unix, a GNU não deveria dar crédito ao Unix usando “Unix” em seu nome? (#unix)
Na verdade, nada do GNU vem do Unix. O Unix era um software proprietário (e ainda é), então usar qualquer um dos seus códigos no GNU teria sido ilegal. Isto não é uma coincidência; é por isso que desenvolvemos o GNU: uma vez que você não podia ter liberdade ao usar o Unix, ou qualquer outro sistema operacional na época, precisávamos de um sistema livre para substituí-lo. Não conseguimos copiar programas, ou mesmo partes deles, do Unix; tudo teve que ser escrito novamente.

Nenhum código no GNU vem do Unix, mas o GNU é um sistema compatível com Unix; portanto, muitas das ideias e especificações do GNU são provenientes do Unix. O nome “GNU”, que significa “GNU's Not Unix” [GNU Não é Unix], é uma maneira humorística de dar crédito ao Unix por isso, seguindo uma tradição hacker de siglas recursivas que começaram na década de 70.

O primeiro acrônimo recursivo desse tipo foi TINT, “TINT Is Not TECO. O autor de TINT escreveu outra implementação do TECO (já havia muitos deles, para vários sistemas), mas em vez de chamá-lo por um nome maçante como “algumaoutracoisa TECO”, pensou em um nome inteligente e divertido. (É o que o hacking significa: inteligência brincalhona.)

Outros hackers gostaram tanto do nome que imitamos a abordagem. Tornou-se uma tradição que, ao escrever do zero um programa que era semelhante a algum programa existente (imaginemos que o nome era “Klever”), você poderia dar-lhe um nome acrônimo recursivo, como o “MINK” para “MINK Is Not Klever”. Nesse mesmo espírito, chamamos nossa substituição para o Unix de “GNU's Not Unix”.

Historicamente, a AT&T, que desenvolveu o Unix, não queria que ninguém lhe desse crédito usando o “Unix” em nome de um sistema similar, nem mesmo em um sistema 99% copiado do Unix. AT&T realmente ameaçou processar qualquer pessoa que desse crédito à AT&T dessa forma. É por isso que cada uma das várias versões modificadas do Unix (todas proprietárias, como o Unix) tinha um nome completamente diferente que não incluía o “Unix”.

Eu devo dizer “GNU/BSD” também? (#bsd)
Nós não chamamos os sistemas BSD (FreeBSD, etc.) de sistemas “GNU/BSD”, porque esse termo não corresponde ao histórico dos sistemas BSD.

O sistema BSD foi desenvolvido pela Universidade da Califórnia em Berkeley como software não livre nos anos 80 e tornou-se livre no início dos anos 90. Um sistema operacional livre que existe hoje é quase certamente uma variante do sistema GNU, ou um tipo de sistema BSD.

As pessoas às vezes perguntam se o BSD também é uma variante do GNU, como o GNU/Linux. Não é. Os desenvolvedores do BSD foram inspirados a criar seu código de software livre pelo exemplo do Projeto GNU, e os recursos explícitos dos ativistas do GNU ajudaram a convencê-los a começar, mas o código tinha pouca sobreposição com o GNU.

Os sistemas BSD hoje usam alguns pacotes GNU, assim como o sistema GNU e suas variantes usam alguns programas BSD; no entanto, considerados como um todo, são dois sistemas diferentes que evoluíram separadamente. Os desenvolvedores do BSD não escreveram um kernel e o adicionaram ao sistema GNU, então um nome como o GNU/BSD não seria adequado à situação.

A conexão entre GNU/Linux e GNU é muito mais próxima e é por isso que o nome “GNU/Linux” é apropriado para isso.

Existe uma versão do GNU que usa o kernel do NetBSD. Seus desenvolvedores chamam de “Debian GNU/NetBSD”, mas “GNU/kerneldoNetBSD” seria mais preciso, uma vez que o NetBSD é um sistema inteiro, não apenas o kernel. Este não é um sistema BSD, já que a maioria do sistema é o mesmo que o sistema GNU/Linux.

Se eu instalar as ferramentas do GNU no Windows, isso significa que eu estou executando um sistema GNU/Windows? (#othersys)
Não no mesmo sentido que queremos dizer com “GNU/Linux”. As ferramentas do GNU são apenas uma parte do software GNU, que é apenas uma parte do sistema GNU, e abaixo delas você ainda teria outro sistema operacional completo que não possui nenhum código em comum com o GNU. Em suma, essa é uma situação muito diferente do GNU/Linux.
O Linux não pode ser usado sem o GNU? (#justlinux)
O Linux é usado por si só, ou com pequenos outros programas, em alguns aparelhos. Estes pequenos sistemas de software estão muito longe do sistema GNU/Linux. Os usuários não os instalam em PCs, por exemplo, e os achariam bastante decepcionantes. É útil dizer que esses aparelhos funcionam apenas com o Linux, para mostrar quão diferentes essas pequenas plataformas são de GNU/Linux.
Quanto do sistema GNU é necessário para que todo o sistema seja GNU/Linux? (#howmuch)
O “quanto” não é uma questão significante porque o sistema GNU não possui limites precisos.

O GNU é um sistema operacional mantido por uma comunidade. Inclui muito mais do que apenas os pacotes de software GNU (do qual temos uma lista específica), e as pessoas adicionam mais pacotes constantemente. Apesar dessas mudanças, continua sendo o sistema GNU, e adicionando o Linux ao que gera GNU/Linux. Se você usa uma parte do sistema GNU e omite outra parte, não há uma maneira significativa de dizer “quanto” você usou.

Se olharmos para o nível de pacotes, o Linux é um pacote importante no sistema GNU/Linux. A inclusão de um pacote importante do GNU é suficiente para justificar o nosso pedido de menção igual.

Existem sistemas Linux [sic] completos sem o GNU? (#linuxsyswithoutgnu)
Existem sistemas completos que possuem Linux sem o GNU; o Android é um exemplo. Mas é um erro chamá-los sistemas “Linux”, assim como é um erro chamar o GNU de um sistema “Linux”.

O Android é muito diferente do sistema GNU/Linux – porque os dois têm muito pouco código em comum. Na verdade, a única coisa que eles têm em comum é o Linux.

Se você chamar todo o sistema GNU/Linux de “Linux”, você achará necessário dizer coisas como, “O Android contém Linux, mas não é o Linux, porque não possui as bibliotecas usuais do Linux [sic] e utilitários [que são do sistema GNU]”.

O Android contém tem a mesma quantidade de Linux que o GNU/Linux. O que ele não tem é o sistema GNU. O Android substitui isso pelo software do Google que funciona de forma bastante diferente. O que torna o Android diferente do GNU/Linux é a ausência do GNU.

É correto dizer “usando Linux” ao se referir a usar GNU/Linux e usar Android? (#usegnulinuxandandroidlinuxsyswithoutgnu)
Longe disso. Esse uso é tão tenso que as pessoas não entenderão o significado pretendido.

O público achará muito estranho falar do uso do Android como “usando o Linux”. É como ter uma conversa, depois dizer que você estava conversando com os intestinos da pessoa ou com o sistema circulatório da pessoa.

O público vai entender a ideia de “usando o Linux” quando é realmente GNU/Linux, por meio do mal-entendido usual: pensar em todo o sistema como “Linux”.

O uso do Android e o uso do GNU/Linux são totalmente diferentes, tão diferentes quanto dirigir um carro e andar de bicicleta. O fato de os dois primeiros conterem o Linux é irrelevante para usá-los, assim como o fato de um carro e uma bicicleta terem uma estrutura de metal é irrelevante para o uso desses dois. Se você deseja falar sobre o uso de carros e motos, você não falaria de “montar objetos de metal”. – a menos que você esteja fazendo jogos com o leitor. Você diria, “usando carros e motos”. Da mesma forma, a maneira clara de falar sobre o uso de GNU/Linux e Android é dizer “usando o GNU/Linux e o Android”.

Por que não chamar o sistema de “Linux” de qualquer forma e fortalecer o papel do Linus Torvalds como garoto-propaganda da nossa comunidade? (#helplinus)
Linus Torvalds é o “garoto-propaganda” (a escolha de palavras de outras pessoas, não a nossa) por seus objetivos, não pelo nosso. Seu objetivo é tornar o sistema mais popular e acredita que seu valor para a sociedade reside apenas nas vantagens práticas que oferece: seu poder, confiabilidade e fácil disponibilidade. Ele nunca defendeu liberdade para cooperar como um princípio ético, e é por isso que o público não conecta o nome “Linux” com esse princípio.

Linus declara publicamente seu desacordo com os ideais do movimento do software livre. Ele desenvolveu software não livre em seu trabalho por muitos anos (e disse isso a uma grande audiência em uma feira do “Linux”World) e convidou publicamente desenvolvedores do Linux, o kernel, para usar software não livre para trabalhar em com ele. Ele vai ainda mais longe e repreende as pessoas que sugerem que os engenheiros e os cientistas devem considerar as consequências sociais de nosso trabalho técnico, rejeitando as lições que a sociedade aprendeu com o desenvolvimento da bomba atômica.

Não há nada de errado em escrever um programa livre para as motivações de aprender e se divertir; o kernel que Linus escreveu por essas razões foi uma contribuição importante para a nossa comunidade. Mas essas motivações não são a razão pela qual o sistema livre e completo, GNU/Linux, existe, e eles não garantirão a nossa liberdade no futuro. O público precisa saber disso. Linus tem o direito de promover seus pontos de vista; no entanto, as pessoas devem estar conscientes de que o sistema operacional em questão decorre de ideais de liberdade, não de seus pontos de vista.

Não é errado rotularmos o trabalho do Linus Torvalds como GNU? (#claimlinux)
Seria errado, então não fazemos isso. O trabalho de Torvalds é o Linux, o kernel; temos o cuidado de não atribuir esse trabalho ao Projeto GNU ou rotulá-lo como “GNU”. Quando falamos sobre todo o sistema, o nome “GNU/Linux” dá-lhe uma parte do crédito.
O Linus Torvalds concorda que o Linux é apenas o kernel? (#linusagreed)

Ele reconheceu isso no início. As primeiras notas de lançamento do Linux disseram: “A maioria das ferramentas usadas com linux é software GNU e está sob o copyleft do GNU. Essas ferramentas não estão na distribuição - pergunte-me (ou ao GNU) para mais informações”.

Por que não finalizar o kernel GNU Hurd, lançar o sistema GNU como um completo e esquecer a questão de como chamar o GNU/Linux? (#finishhurd)
Gostaríamos de crédito para o sistema operacional GNU independentemente do kernel usado com ele.

Fazer o GNU Hurd funcionar bem o suficiente para competir com o Linux seria um grande trabalho e não é claramente necessário. A única coisa eticamente errado com o Linux como kernel é a inclusão de “blobs” de firmware; A melhor solução para esse problema é desenvolver substitutos livres para os blobs.

A batalha já está perdida – a sociedade já tomou sua decisão e não podemos alterá-la, então por que pensar nisso? (#lost)
Esta não é uma batalha, é uma campanha de educação. Do que chamar o sistema não é uma decisão única, a ser feita em um momento pela “sociedade”: cada pessoa, cada organização, pode decidir o nome a ser usado. Você não pode fazer os outros dizerem “GNU/Linux”, mas você pode decidir chamar o sistema de “GNU/Linux” você mesmo e, ao fazê-lo, ajudará a educar os outros.
A sociedade já tomou sua decisão e não podemos alterá-la, então qual o benefício de eu dizer “GNU/Linux”? (#whatgood)
Esta não é uma situação de tudo ou nada: imagens corretas e incorretas estão sendo espalhadas mais ou menos por várias pessoas. Se você chamar o sistema de “GNU/Linux”, você ajudará os outros a aprender o verdadeiro histórico, origem e motivo do ser do sistema. Você não pode corrigir o nome incorreto em todos os lugares por conta própria, não mais do que podemos, mas você pode ajudar. Se apenas algumas centenas de pessoas verem você usar o termo “GNU/Linux”, você terá educado um número substancial de pessoas com muito pouco trabalho. E alguns deles espalharão a correção para os outros.
Não seria melhor chamar o sistema de “Linux” e ensinar as pessoas sua real origem com uma explicação de dez minutos? (#explain)
Se você nos ajudar, explicando aos outros dessa maneira, agradecemos seu esforço, mas esse não é o melhor método. Não é tão eficaz quanto chamar o sistema de “GNU/Linux”, e usa seu tempo de forma ineficiente.

É ineficaz porque pode não ser assimilado, e certamente não se propagará. Algumas pessoas que ouvem sua explicação prestarão atenção e podem aprender uma imagem correta da origem do sistema. Mas é improvável que eles repitam a explicação para os outros sempre que falam sobre o sistema. Provavelmente eles só o chamarão de “Linux”. Sem sequer ter a intenção, eles ajudarão a espalhar a imagem incorreta.

É ineficiente porque leva muito mais tempo. Dizer e escrever “GNU/Linux” leva apenas alguns segundos por dia, e não minutos, para que você possa dar ao luxo de alcançar mais pessoas desse jeito. Distinguir entre Linux e GNU/Linux quando você escreve e fala é, de longe, a maneira mais fácil de ajudar o Projeto GNU efetivamente.

Algumas pessoas riem de mim quando eu peço que elas chamem o sistema de GNU/Linux. Por que se sujeitar a esse tratamento? (#treatment)
Chamar o sistema de “Linux” tende a dar às pessoas uma imagem equivocada da história do sistema e do motivo da existência. As pessoas que riem do nosso pedido provavelmente pegaram essa imagem errada, eles pensam que nosso trabalho foi feito por Linus, então eles riem quando pedimos crédito por isso. Se eles soubessem a verdade, provavelmente eles não ririam.

Por que corremos o risco de fazer um pedido que às vezes leva as pessoas a ridicularizar-nos? Porque muitas vezes tem resultados úteis que ajudam o Projeto GNU. Nós vamos correr o risco de abuso imerecido para alcançar nossos objetivos.

Se você vir uma situação tão irônica e injusta, não fique na ociosidade. Ensine as pessoas rindo a história real. Quando eles virem por que o pedido é justificado, aqueles que têm algum bom senso deixarão de rir.

Algumas pessoas lhe condenam quando você solicita que elas chamem o sistema de GNU/Linux. Vocês não perdem por aliená-las? (#alienate)
Não muito. As pessoas que não apreciam o nosso papel no desenvolvimento do sistema não são susceptíveis de fazer esforços substanciais para nos ajudar. Se eles fazem trabalhos que adiantam nossos objetivos, como o lançamento de software livre, é provavelmente por outros motivos não relacionados, não porque pedimos. Enquanto isso, ao ensinar os outros a atribuir nosso trabalho a outra pessoa, eles estão minando nossa capacidade de recrutar a ajuda de outros.

Não faz sentido se preocupar em alienar as pessoas que já não são cooperativas, e é autodestrutivo ser impedido de corrigir um grande problema, para que não irritemos as pessoas que a perpetuam. Portanto, continuaremos tentando corrigir o nome incorreto.

Independente do que vocês contribuíram, é legítimo renomear o sistema operacional? (#rename)
Não estamos renomeando nada; nós chamamos este sistema de “GNU” desde que o anunciamos em 1983. As pessoas que tentaram renomeá-lo para o “Linux” que não deveria ter feito isso.
Não é errado forçar as pessoas a chamar o sistema de “GNU/Linux”? (#force)
Seria errado forçá-los, e não tentamos. Chamamos o sistema de “GNU/Linux” e pedimos que você faça isso também.
Por que não processar as pessoas que chamam todo o sistema de “Linux”? (#whynotsue)
Não há motivos legais para processá-los, mas, como acreditamos na liberdade de expressão, não iríamos querer fazer isso de qualquer maneira. Pedimos às pessoas que chamem o sistema de “GNU/Linux” porque é a coisa certa a fazer.
Vocês não deveriam colocar alguma coisa na GNU GPL para exigir que as pessoas chamem o sistema de “GNU”? (#require)
O objetivo da GNU GPL é proteger a liberdade dos usuários daqueles que fariam versões proprietárias de software livre. Embora seja verdade que aqueles que chamam o sistema de “Linux” muitas vezes fazem coisas que limitam a liberdade dos usuários, como empacotar software não livre com o sistema GNU/Linux ou mesmo o desenvolvimento de software não livre para esse uso, o simples ato de chamar o sistema de “Linux” não nega, por si só, a liberdade dos usuários. Parece improcedente fazer com que a GPL restrinja o nome que as pessoas podem usar para o sistema.
Já que vocês se opuseram ao requisito de propaganda da licença BSD original de dar crédito para a Universidade da Califórnia, não é hipocrisia demandar crédito para o projeto GNU? (#BSDlicense)
Seria hipócrita fazer o nome GNU/Linux ser requisito de licença, e nós não fazemos. Nós pedimos a você para nos dar o crédito que merecemos.

Por favor, note que existem pelo menos duas licenças BSD diferentes. Por razões de clareza, não use o termo “licença BSD” sem especificar qual delas.

Já que vocês falharam em colocar alguma coisa na GNU GPL para exigir que as pessoas chamem o sistema de “GNU”, vocês mereceram o que aconteceu; por que estão reclamando agora? (#deserve)
A questão pressupõe uma premissa ética geral bastante controversa: que, se as pessoas não forçam você a tratá-las de forma justa, você tem direito a se aproveitar delas tanto quanto você quiser. Em outras palavras, pressupõe que o caminho esteja correto.

Esperamos que você discorde dessa premissa tanto quanto nós discordamos.

Não seria melhor vocês não contradizerem o que tantas pessoas acreditam? (#contradict)
Nós não pensamos que devemos seguir junto com um grande número de pessoas porque elas foram enganadas. Esperamos que você também decida que a verdade é importante.

Jamais teríamos desenvolvido um sistema operacional livre sem antes negar a crença, mantida pela maioria das pessoas, de que o software proprietário era legítimo e aceitável.

Já que muitas pessoas o chamam de “Linux”, isso não o torna correto? (#somanyright)
Nós não pensamos que a popularidade de um erro o torna verdade.
Não é melhor chamar o sistema pelo nome que a maioria dos usuários já conhecem? (#knownname)
Os usuários não são incapazes de aprender. Como o “GNU/Linux” inclui o “Linux”, eles reconhecerão o que você está falando. Se você adicionar “(muitas vezes, erroneamente referido como ‘Linux’)” de vez em quando, todos entenderão.
Muitas pessoas se importam com o que é conveniente ou quem está ganhando, e não com argumentos de certo ou errado. Vocês não conseguiriam mais apoio delas seguindo um caminho diferente? (#winning)
Cuidar apenas do que é conveniente ou de quem está ganhando é uma abordagem amoral da vida. O software não livre é um exemplo dessa abordagem amoral e prospera nele. Assim, a longo prazo, seria autodestrutivo para nós adotar essa abordagem. Continuaremos falando em termos de certo e errado.

Esperamos que você seja um daqueles para quem o certo e o errado importam.

VOLTAR AO TOPO


[Logo da FSF]“A Free Software Foundation (FSF) é uma organização sem fins lucrativos com a missão global de promover a liberdade de usuários de computador. Nós defendemos os direitos dos usuários de software.”

A Free Software Foundation é a principal organização que patrocina o Sistema Operacional GNU. Apoie o GNU e a FSF comprando manuais e produtos, afiliando-se a FSF como um membro associado ou fazendo uma doação.