Esta é uma tradução da página original em Inglês.

Software proprietário frequentemente é malware

Software proprietário, também chamado de software não livre, significa software que não respeita a comunidade e liberdade do usuário. Um programa proprietário coloca seu desenvolvedor ou dono em uma posição de poder sobre seus usuários. Esse poder é, por si só, uma injustiça.

O ponto desta página é que a injustiça inicial do software proprietário muitas vezes leva a mais injustiças: funcionalidades maliciosas.

Nesta seção, também listamos uma outra característica maliciosa de telefones celulares, rastreamento de localização que é causada pelo sistema de rádio subjacente em vez de pelo software específico neles.

O poder corrompe; o desenvolvedor do programa proprietário é tentado a projetar o programa para maltratar seus usuários. (Software cuja funcionalidade maltrata o usuário é chamado malware.) Claro, o desenvolvedor geralmente não faz isso por malícia, mas sim para lucrar mais a custo dos usuários. Isso não torna menos desagradável ou mais legítimo.

Se entregar a essa tentação tornou-se cada vez mais frequente; hoje em dia é uma prática padrão. O software proprietário moderno geralmente é uma maneira de ser mal.


Até janeiro de 2021, as páginas neste diretório listam quase 500 exemplos de funcionalidades maliciosas (com mais de 570 referências para confirmá-las), mas com certeza há mais milhares das quais nós não temos conhecimento.

Se você deseja ser notificado quando adicionarmos novos itens ou fizermos outras alterações, inscreva-se na lista de discussão <www-malware-commits@gnu.org>.

Injustiças ou técnicas Produtos ou empresas
  1. Back door:  qualquer funcionalidade de um programa que possibilita que alguém que não deveria estar no controle do computador, no qual o programa está instalado, enviar comandos para ele.
  2. Gestão digital de restrições ou “DRM”:  funcionalidades projetadas para restringir o que usuários podem fazer com os dados em seus computadores.
  3. Prisões:  sistemas que impõem censura a programas.
  4. Amarração:  funcionalidade que requer conexão permanente (ou muito frequente) a um servidor.
  5. Tiranos:  sistema que rejeita qualquer sistema operacional não “autorizado” pelo fabricante.

Os usuários de software proprietário estão indefesos contra essas formas de maus tratos. A maneira de evitá-los é insistindo em software livre (que respeite a liberdade). Uma vez que o software livre é controlado por seus usuários, eles têm uma boa defesa contra a funcionalidade de software maliciosa.

Últimas adições

  • 2021-02

    Muitos cr…apps, desenvolvidos por várias empresas para várias organizações, fazem rastreamento de localização desconhecido para essas empresas e organizações. Na verdade, são algumas bibliotecas amplamente utilizadas que fazem o rastreamento.

    O que é incomum aqui é que o desenvolvedor de software proprietário A engana os desenvolvedores de software proprietário B1 … B50 em fazer plataformas para que A maltrate o usuário final.

  • 2020-10

    A Samsung está forçando que seus usuários de smartphones em Hong Kong (e Macau) usem um DNS público na China Continental, usando a atualização de software lançada em setembro de 2020, o que causa muitas preocupações e preocupações com a privacidade.

  • 2021-01

    As autoridades em Veneza rastreiam os movimentos de todos os turistas usando seus telefones celulares. O artigo diz que no momento o sistema está configurado para relatar apenas informações agregadas. Mas isso pode ser mudado. O que esse sistema fará daqui a 10 anos? O que fará um sistema semelhante em outro país? Essas são as questões que isso levanta.

  • 2021-01

    Um cracker assumiu o controle dos cintos de castidade das pessoas conectadas à Internet e exigiu resgate. Os cintos de castidade estão sendo controladas por um aplicativo proprietário (programa móvel).

    (Note que o artigo, de forma incorreta, refere-se a crackers como “hackers”.)

  • 2021-01

    Em 2021, o WhatsApp (uma das subsidiárias do Facebook) está forçando seus usuários a entregar dados pessoais confidenciais para sua empresa-mãe. Isso aumenta o poder do Facebook sobre os usuários e prejudica ainda mais a privacidade e a segurança das pessoas.

    Em vez do WhatsApp, você pode usar o GNU Jami, que é um software livre e não coleta seus dados.