Esta é uma tradução da página original em Inglês.

Censura privativa


O software não livre (privativo) é muitas vezes um malware (projetado para maltratar o usuário). O software não livre é controlado por seus desenvolvedores, o que os coloca em uma posição de poder sobre os usuários; isso é a injustiça básica. Os desenvolvedores e fabricantes muitas vezes exercem esse poder em detrimento dos usuários aos quais eles deveriam servir.

Isso geralmente assume a forma de funcionalidades maliciosas.


Um tipo de funcionalidade maliciosa é a censura do que os usuários podem acessar. Aqui estão alguns exemplos de programas que fazem isso. Temos uma lista separada de sistemas privativos que censuram a instalação de programas de aplicativos (os chamamos de “prisões”).

Vender produtos concebidos como plataformas para uma empresa impor censura deveria ser proibido por lei, mas não é.

Se você conhece um exemplo que deveria estar nesta página, mas não está aqui, por favor, escreva para <webmasters@gnu.org> para nos informar. Por favor, inclua a URL de uma ou duas referências confiáveis para servir como comprovação específica.

Apple

A Apple usa principalmente o iOS, que é uma prisão típica, para impor censura por meio da Apple Store. Consulte Prisões privativas para obter mais informações.

Google

  • 2017-03

    Google oferece software de censura, ostensivamente, para os pais colocarem nos computadores de seus filhos.

  • 2017-01

    No Windows e MacOS, o Chrome desativa extensões que não estão hospedadas no Chrome Web Store.

    Por exemplo, uma extensão era banida da Chrome Web Store e permanentemente desativada em mais de 40.000 computadores.

  • 2016-02

    O Google censurou a instalação do bloqueador de anúncios da Samsung em telefones Android, dizendo que o bloqueio de anúncios é “interferência” com os sites que anunciam (e vigiam os usuários por meio de anúncios).

    O bloqueador de anúncios é um software privativo, assim como o programa (Google Play) que o Google usou para negar o acesso para instalá-lo. O uso de um programa não livre dá ao dono poder sobre você, e o Google exerce esse poder.

    A censura do Google, ao contrário da Apple, não é total: o Android permite que os usuários instalem aplicativos de outras maneiras. Você pode instalar programas livres em f-droid.org.

Consoles de jogos

  • 2014-08

    O Nintendo 3DS censura a navegação na web; é possível desligar a censura, mas isso exige a identificação para pagar, o que é uma forma de vigilância.

Conferência online

  • 2020-06

    A empresa por trás do Zoom não apenas nega a liberdade de uso do computador ao desenvolver este software não livre, mas também viola os direitos civis dos usuários banindo eventos e censurando usuários para servir à agenda dos governos.

    Programas que respeitam a liberdade como Jitsi ou BigBlueButton podem ser usados, melhor ainda se instalados em um servidor controlado por seus usuários.